Na Web, proteção de privacidade e coleta de dados se confundem

terça-feira, 3 de abril de 2012 11:11 BRT
 

Por Claire Davenport

BRUXELAS (Reuters) - Se você "curte" alguma coisa no Facebook ou lê um jornal online, talvez uma dúzia de empresas estejam acumulando dados sobre seus gostos, hábitos e descobrindo se você é homem ou mulher, gay ou heterossexual, velho ou jovem.

Seus objetivos não são maléficos. Só querem fornecer ao consumidor exatamente aquilo que ele deseja -um tema permanente para as empresas. O dilema dessas companhias, agora que as autoridades regulatórias começam a contestar seu comportamento, é como atender aos consumidores e ao mesmo tempo satisfazer suas necessidades de informação quando os usuários preferem não ser incomodados.

Existem milhares de companhias de análise de dados de audiência, especialistas em posicionamento de conteúdo e publicidade, corretores de anúncios, bolsas de espaço publicitário e serviços semelhantes, que recolhem dados e vendem serviços para grandes marcas, a preços de até cinco mil euros por vez; as grandes marcas, de sua parte, utilizam os dados para adquirir publicidade em sites que seus potenciais clientes talvez frequentem.

Você só vai saber que essas empresas de coleta de dados estão operando se for leitor das letrinhas miúdas de contratos de serviço.

O New York Times revela nesse tipo de documento que emprega os serviços da WebTrends e Audience Science para interpretar os interesses de seus leitores, e o jornal britânico Guardian diz que paga a Criteo e QuantCast, entre outros, para fazer a mesma coisa.

Ocasionalmente um site consegue vender um anúncio a um hotel de luxo, por exemplo, três segundos depois de saber que uma pessoa que gosta de passar temporadas em spas está visitando o site. O site fatura quando seus visitantes clicam nesses anúncios. É o que sustenta boa parte dos sites.

"Sem publicidade direcionada, os sites não sobreviverão", disse Kimon Zorbas, do Internet Advertising Bureau, um grupo de lobby das companhias de publicidade online, em Bruxelas.

Mas agora as autoridades regulatórias querem deter esse tipo de prática.   Continuação...