UE aprova compra de divisão da EMI por consórcio da Sony

quinta-feira, 19 de abril de 2012 15:58 BRT
 

BRUXELAS, 19 Abr (Reuters) - Um consórcio comandado pela Sony conquistou na quinta-feira a aprovação pela União Europeia para adquirir a divisão de publicação de música da EMI por 2,2 bilhões de dólares, sob a condição de que venda os direitos mundiais de publicação musical sobre os trabalhos de artistas como Robbie Williams e Lenny Kravitz.

A Sony, em consórcio com o Blackstone Group; com a Mubadala Development Co. , de Abu Dhabi; com o Raine Group; e com o magnata da música David Geffen venceu a disputa pela EMI Publishing no ano passado, em uma transação que dará à companhia japonesa a liderança mundial no campo da publicação de música.

As autoridades europeias de defesa da competição aprovaram o acordo depois que o consórcio propôs vender os direitos sobre quatro catálogos de composições, que incluem obras musicais de 12 artistas contemporâneos.

"A Sony e a Mubadala ofereceram vender catálogos valiosos e atraentes contendo títulos de alta vendagem e obras de compositores de sucesso e promissores", disse Joaquin Almunia, o comissário de assuntos sobre competição da União Europeia.

"Isso satisfaz minha preocupação quanto a manter a dinâmica de competição no mundo da publicação online de música, a fim de garantir a liberdade de escolha dos consumidores e a diversidade cultural", acrescentou.

Uma investigação inicial da Comissão havia concluído que o acordo não resultaria em concorrência justa, mas a Sony e seus sócios concordaram com a venda de ativos adicionais, o que conduz o total de vendas a realizar à casa dos 25 milhões de euros, a depender do valor individual de venda dos ativos.

Os catálogos que serão vendidos são os da Virgin UK, Virgin Europe, Virgin US e Famous Music UK, e incluem artistas como Gary Barlow, Ozzy Osbourne, Ben Harper, Placebo e The Kooks, além de Lenny Kravitz e Robbie Williams.

"A Comissão concluiu, portanto, que, desde que essas vendas sejam realizadas, a transação não dificultaria a competição efetiva na área econômica europeia ou qualquer porção substancial de seu território", afirmou a Comissão.

Os catálogos devem ser leiloados nos próximos meses, disseram fontes próximas às negociações.

Antes da aquisição, a Sony era a quarta maior companhia de publicação de música, atrás do Universal Music Group (parte da Vivendi), EMI and Warner Music.

(Por Robert-Jan Bartunek e Foo Yun Chee)