ANÁLISE-Plano da Oi ainda precisa superar desconfiança do mercado

quinta-feira, 19 de abril de 2012 19:47 BRT
 

Por Sérgio Spagnuolo

RIO DE JANEIRO, 19 Abr (Reuters) - O grupo de telecomunicações Oi divulgou nesta semana suas aguardadas metas até 2015, mas a empresa ainda precisa convencer analistas e investidores de que será capaz de entregar os resultados prometidos.

O desempenho operacional tem sido visto por analistas como um dos principais desafios da Oi, após a empresa ter amargado uma deterioração nos resultados de 2011, em um ano marcado pela forte concorrência em segmentos-chave (telefonias móvel e fixa) e pelo processo de reorganização societária da empresa.

"É um ambiente competitivo, com empresas buscando market share, e vemos como desafiador para a empresa. O cenário não é fácil", afirmaram à Reuters as analistas Flavia Bedran e Luísa Vilhena, da agência de classificação de risco Standard & Poor's.

A S&P atribui rating "BBB-" para a Oi, com perspectiva estável.

"A divulgação do 'guidance' não foi um evento que nos levou a mudar o rating", disse Luísa, acrescentando que seriam exigidas mudanças mais fortes para alterar a nota de crédito da companhia.

Na terça-feira, a Oi divulgou que até 2015 prevê investir 24 bilhões de reais, crescer seu lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) em 45 por cento e atingir receita líquida próxima de 40 bilhões de reais.

"O 'guidance' de crescimento parece muito otimista", escreveram em relatório os analistas Andre Baggio e Marcelo Santos, do JPMorgan.

"Em nossa visão, a Oi está enfrentando um declínio estrutural em seu negócio fixo, semelhante ao que aconteceu em outras partes do mundo, o que soma-se, no Brasil, à aceleração da queda nos preços no segmento móvel", acrescentaram.   Continuação...