Investidores chineses buscam investir em fornecedores da Apple

terça-feira, 24 de abril de 2012 11:10 BRT
 

Por Samuel Shen e Kazunori Takada

XANGAI, 24 Abr (Reuters) - As rígidas regras de capital da China proíbem que os cidadãos do país invistam diretamente na Apple, mas isso não os impede de buscar uma participação no sucesso da fabricante do iPhone por meio da compra de ações de seus fornecedores -e mesmo de empresas as quais apenas boatos as indicam entre os fornecedores.

Há uma corrida de investidores para adquirir ações das duas únicas empresas chinesas de capital aberto que a Apple confirmou como fornecedores, causando alta considerável em seu valor de mercado, e a especulação é forte quanto a ações de companhias que o mercado acredita estarem indiretamente envolvidas com a gigante da tecnologia.

A Suzhou Anjie Technology teve alta de mais de 30 por cento em suas ações, e a BYD, uma montadora de automóveis na qual o investidor norte-americano Warren Buffett tem participação, saltou em mais de 15 por cento desde a metade de janeiro, quando os nomes de ambas fora mencionados na primeira lista de fornecedores publicada pela Apple. O Índice Composto de Xangai subiu em 5,6 por cento no mesmo período.

"Os investidores querem participar do crescimento da Apple porque acreditam que as vendas do iPad e do iPhone continuarão fortes", disse Zhou Feng, analista da Donghai Securities.

"Investir nos fornecedores da Apple não é uma má ideia, porque eles são como as garotas que saem com o cara rico", acrescentou.

As ações da Apple, listadas na Nasdaq, atingiram o recorde de 644 dólares neste mês. Depois, caíram em 11 por cento, fechando em 571,70 dólares na segunda-feira. Ainda assim, acumulam 41 por cento de alta em 2012.

O mais perto que um investidor individual chinês pode chegar de deter ações na Apple, dada a proibição à aquisição de ações estrangeiras, é a compra de cotas em um dos fundos de investimento internacionais autorizados sob o programa de Investidor Institucional Interno Qualificado. Alguns desses fundos investiram em ações da Apple.

O programa é o principal canal para que as pessoas físicas chinesas invistam em mercados de capital estrangeiros.