Receita e previsão da Nvidia superam estimativas, ações disparam

sexta-feira, 11 de maio de 2012 16:58 BRT
 

11 Mai (Reuters) - A receita trimestral e a previsão para os próximos trimestres da Nvidia superaram às baixas estimativas do mercado por conta de vendas melhores do que o esperado de seus mais recentes chips gráficos, impulsionando sua ação a uma alta de 9 por cento.

A fabricante de chips registrou forte demanda por seus recentemente lançados chips para computadores desktop e grande número de contratos relativos a seus chips Tegra, utilizados em smartphones, mas disse que sua receita e seu lucro ainda são limitados por restrições de oferta e questões macroeconômicas.

A surpreendente receita superou as expectativas bem baixas de analistas, que foram derrubadas pelo alerta da Nvidia em fevereiro sobre as fracas vendas ligadas a restrições de capacidade e aumento da competição no segmento de chips para celulares, com um grande consumidor de seus produtos entrando no mercado como competidor.

"Muitos temiam que as restrições de oferta continuariam a ser um problema. Não foi tão ruim quanto esperávamos", disse o analista Michel McConnell, do Pacific Crest.

A Nvidia prevê receita de 990 milhões de dólares a 1,05 bilhão de dólares no segundo trimestre, comparado à estimativa média de analistas de 976,2 milhões de dólares, de acordo com dados do Thomson Reuters I/B/E/S.

A receita no primeiro trimestre caiu a 924,9 milhões de dólares ante 962 milhões de dólares no mesmo período no ano anterior, mas superou as expectativas do mercado, de 916 milhões de dólares.

O lucro líquido no período foi de 60,4 milhões de dólares, ou 0,10 dólar por ação, ante 135,2 milhões de dólares, ou 0,22 dólar por ação, no primeiro trimestre de 2011, em linha com as previsões de analisas.

A empresa previu uma margem bruta no segundo trimestre de 51,2 por cento, ante 50,1 por cento no primeiro trimestre.

A companhia disse que seus gastos crescerão a 418 milhões de dólares no segundo trimestre, comparado a 390,5 milhões de dólares no primeiro trimestre.

(Por Sinead Carrew)