Poderosa cyber-arma "Flame" é descoberta no Irã

segunda-feira, 28 de maio de 2012 17:46 BRT
 

Por Jim Finkle

BOSTON, 28 Mai (Reuters) - Especialistas em segurança descobriram um vírus de computador de alto nível de sofisticação no Irã e no Oriente Médio que acreditam ter sido implantado há pelo menos cinco anos com o objetivo de realizar espionagem patrocinada pelo Estado.

Evidências sugerem que o vírus, que foi nomeado "Flame", pode ter sido construído em nome da mesma nação ou nações que encomendaram o vírus Stuxnet, que atacou o programa nuclear iraniano em 2010, segundo o laboratório Kaspersky, que assumiu a responsabilidade pela descoberta do vírus.

Os pesquisadores do Kaspersky disseram nesta segunda-feira que ainda não determinaram se o Flame tinha uma missão, como o Stuxnet, e se negaram a revelar quem eles acreditam ter desenvolvido o vírus.

O Irã acusou os Estados Unidos e Israel de terem implantado o Stuxnet.

Especialistas em cyber-segurança afirmaram que as descobertas fornecem novas evidências ao público que demonstram o que autoridades a par de informações confidenciais há muito sabem: nações têm usado trechos de programação como armas para promover seus interesses relacionados a segurança há muitos anos.

"Essa é uma de muitas, muitas campanhas que acontecem o tempo todo e nunca chegam ao conhecimento do público", disse o especialista em cyber-segurança do Austrian Institute for International Affairs, Alexander Klimburg.

Uma agência de cyber-segurança iraniana disse em seu site nesta segunda-feira que o Flame é "intimamente relacionado" ao Stuxnet, o primeiro exemplo publicamente conhecido de uma cyber-arma.