China age para reprimir uso de microblogs no país

terça-feira, 29 de maio de 2012 10:56 BRT
 

XANGAI, 29 Mai (Reuters) - A operadora chinesa de microblogs Sina adotou, em meio a acusações de censura, um código de conduta para os usuários de uma espécie de Twitter chinês para reprimir um fórum online que se tornou veículo de críticas políticas e sociais ferrenhas.

O código de conduta, anunciado alguns dias atrás, estipula que os usuários dos microblogs da Sina não podem postar informações que contrariem os princípios constitucionais, violem a unidade a nacional, revelem segredos de Estado ou representem falsa informação, entre outras regras.

Muitos usuários afirmaram que as restrições têm por objetivo amordaçar o diálogo online muitas vezes mordaz e anônimo, em um país onde a Internet representa uma das raras oportunidades de discussão aberta.

A decisão, a mais recente em uma série de medidas tomadas para controlar o debate nos microblogs, surge enquanto a China se prepara para uma mudança na liderança do país, algo que acontece uma vez por década. A expectativa é que a transição seja durante um congresso do Partido Comunista antes do fim do ano.

A Sina, a maior dos operadores de microblogs na China, também introduziu um sistema de pontuação em que um usuário começa com 80 pontos e vai perdendo status a cada violação. Caso chegue ao zero, terá a conta cancelada. O usuário pode ganhar pontos caso confirme a verdadeira identidade.

“"Isso oferece à empresa uma capacidade mais firme para expandir a censura de notícias vistas como delicadas", disse um conhecido usuário de microblogs que pediu anonimato.

"A definição do que é “delicado sempre foi imprecisa e está mudando o tempo todo. É claro que, no momento, eles estão preocupados devido aos escândalos e aos boatos sobre o 18º Congresso", acrescentou.

Em um sinal da delicadeza da questão para o Partido Comunista, censores bloquearam todas as buscas online pelo nome de Bo Xilai, antigo líder do partido na cidade de Chongqing que foi expulso do comitê central da organização algumas semanas atrás.

(Por Ben Blanchard)