Apple prevê lojas em duas cidades chinesas em meio a processo

quarta-feira, 6 de junho de 2012 15:17 BRT
 

XANGAI, 6 Jun (Reuters) - A Apple pretende abrir lojas próprias nas importantes cidades chinesas de Chengdu e Shenzhen, disseram autoridades do governo nesta quarta-feira, enquanto a empresa continua a enfrentar legalmente uma companhia chinesa pelo uso da marca registrada iPad.

Abrir lojas em Shenzhen e Chengdu representaria um grande impulso para os negócios da Apple na China, que atualmente tem apenas cinco lojas no país: três em Xangai e duas em Pequim.

O lucro trimestral da Apple no trimestre terminado em abril quase dobrou, após um salto nas vendas de iPhones, especialmente na região da grande China.

Mas a possibilidade de vender iPads em Shenzhen poderia levar a mais processos após Roger Xie, um advogado da Proview Technology (sediada em Shenzhen), dizer à Reuters que se a Apple tentasse vender os populares tablets no país, a Proview buscaria ação legal para impedi-la.

A Apple e a Proview estão disputando no Supremo Tribunal Popular de Guangzhou pelo direito de utilizar a marca registrada iPad, que a Proview afirma controlar. Xie disse que ambos os lados estão negociando, em reuniões mediadas pelo tribunal.

As lojas da Apple estão normalmente cheias de pessoas examinando os mais recentes iPads ou iPhone e seus lançamentos de produtos atraem imensos públicos. Mas a empresa enfrenta revendedores não autorizados em cidades de menor riqueza, que contrabandeiam seus produtos.

A Apple também enfrenta uma grande quantidade de pirataria, um problema tão sério na China que até lojas inteiras de produtos falsificados foram criadas, cujos funcionários acreditavam trabalhar para a Apple.

(Reportagem da Redação de Xangai e Melanie Lee)