CENÁRIOS-Mesmo com 4G à vista, 3G ainda será prioridade

quarta-feira, 6 de junho de 2012 18:31 BRT
 

Por Sérgio Spagnuolo

RIO DE JANEIRO, 6 Jun (Reuters) - Se tudo acontecer como planejado pelo governo, as operadoras começarão a ofertar banda larga móvel de quarta geração (4G) já na primeira metade de 2013.

Na terça-feira, os principais grupos de telecomunicações do país entregaram suas propostas para participar do leilão das faixas de frequência de 2,5 gigahertz destinadas ao 4G, e as operadoras têm tratado o tema como estratégico, embora ainda seja difícil avaliar a agressividade de cada uma no certame.

Mas apesar de certa antecipação sobre o novo serviço, o 4G -que permitirá acesso móvel ultrarrápido à Internet- não deve ser prioridade para as operadoras no curto e médio prazos, levando em conta o alto preço ao consumidor dos aparelhos com tecnologia LTE, voltada ao 4G, e do potencial ainda inexplorado de expansão do 3G no país.

"No curto prazo o 4G vai ter poucos usuários", afirmou o presidente da consultoria Teleco, Eduardo Tude.

Em entrevista durante o Reuters Latin American Investment Summit, na semana passada, o presidente da Oi, Francisco Valim, afirmou que o 3G ainda terá um longo caminho pela frente.

"Você não vai parar de investir em 3G... Como agora é que está acontecendo a migração para o smartphone, o 3G ainda tem uma onda grande para surfar nesse processo, para aí então vir a onda do 4G", afirmou Valim.

Esse cenário se aplica a todas operadoras no Brasil atualmente, que investiram bilhões de reais em suas redes de 3G e têm apurado forte crescimento nesse segmento nos últimos trimestres.

Para o presidente da Teleco, o principal inibidor do 4G num primeiro momento serão os aparelhos, já que os dispositivos para a nova tecnologia carecem da escala de produção dos smartphones 3G atuais, os quais já podem ser encontrados com preços inferiores a 400 reais.   Continuação...