Extradição de Assange fica cada vez mais perto

quinta-feira, 14 de junho de 2012 15:08 BRT
 

Por Michael Holden

LONDRES, 14 Jun (Reuters) - O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, poderá ser extraditado para a Suécia em duas semanas para enfrentar questionamento sobre supostos crimes sexuais, depois que a corte superior da Grã-Bretanha disse nesta quinta-feira que havia rejeitado um pedido para reconsiderar seu caso.

A decisão encerrou a batalha jurídica de 18 meses nos tribunais britânicos do auto-intitulado "ativista antisigilo" contra a extradição, e agora só um possível apelo a um Tribunal Europeu pode evitar sua transferência.

Duas semanas atrás, o Supremo Tribunal da Grã-Bretanha rejeitou o argumento da defesa de que um mandado de detenção europeu emitido pela promotoria para a extradição de Assange era inválido.

Os advogados argumentaram que alguns dos juízes chegaram à sua decisão com base em um ponto legal que eles não tiveram a chance de contra-argumentar, e pediu para que o recurso fosse reaberto.

Depois de considerar o seu apelo, o tribunal anunciou que os sete juízes rejeitaram o pedido.

"A corte ordenou que, com concordância do réu... o período necessário para a extradição não deve começar até o 14o dia depois de hoje", disse em um comunicado.

A promotoria pública da Suécia disse em comunicado que a decisão significava que Assange seria levado para o país nórdico no prazo de 10 dias após o final do período de 14 dias.

Uma audiência seria realizada dentro de quatro dias de sua chegada na Suécia para determinar se ele deve ser mantido em detenção, uma decisão que pode ser objeto de recurso.   Continuação...