Samsung não derruba liminar contra vendas de tablet nos EUA

terça-feira, 3 de julho de 2012 12:16 BRT
 

Por Erin Geiger Smith

3 Jul (Reuters) - Uma juíza norte-americana rejeitou na segunda-feira uma petição da Samsung Electronics pela suspensão de uma liminar que proíbe a venda de seu Galaxy Tab 10.1 nos Estados Unidos, o que representa a terceira derrota judicial da companhia sul-coreana em apenas uma semana, enquanto ela se prepara para um julgamento decisivo em sua disputa de patentes com a Apple, no final deste mês.

Apple e Samsung, as maiores fabricantes mundiais de bens eletrônicos de consumo, estão travando uma batalha judicial em 10 países, com troca de acusações por violações de patentes. Elas disputam a supremacia no mercado de aparelhos móveis, que registra rápido crescimento.

A juíza federal de primeira instância Lucy Koh, em San Jose, Califórnia, rejeitou a petição da Samsung pela suspensão da liminar que concedeu em 26 de junho proibindo as vendas do Galaxy Tab 10.1, acionado pelo sistema operacional Google Android, nos EUA. O aparelho concorre diretamente com o iPad.

Koh também concedeu liminar proibindo a venda do celular Galaxy Nexus, sexta-feira, antes do julgamento do caso que o envolve.

A Apple abriu processo contra a Samsung no ano passado, acusando-a de copiar "servilmente" o iPhone e o iPad. A Samsung nega a alegação e abriu processos contra a Apple em resposta. Mas as derrotas consecutivas são importantes porque é raro que juízes norte-americanos concedam liminares antes de um julgamento. O julgamento do caso entre as duas empresas nos EUA deve começar em 30 de julho.

"A Samsung está desapontada com a decisão do tribunal, que negou nossa petição de uma suspensão da liminar. Acreditamos que a decisão anunciada hoje limitará a disponibilidade de recursos tecnológicos superiores para os consumidores dos EUA", afirmou a Samsung em comunicado.

O tribunal distrital não representa a última chance da Samsung para conseguir a suspensão da liminar. A empresa também recorreu em um tribunal de recursos em Washington que tem jurisdição exclusiva sobre disputas quanto a propriedade intelectual.

(Com reportagem adicional de Sakthi Prasad e Miyoung Kim)