KPN deve reduzir dividendo e investir mais, dizem analistas

quarta-feira, 4 de julho de 2012 15:30 BRT
 

Por Robert-Jan Bartunek

BRUXELAS, 4 Jul (Reuters) - A KPN provavelmente remunerará seu acionistas em menor grau e investirá mais em suas redes de telecomunicações após o bilionário mexicano Carlos Slim assumir controle efetivo da empresa, disseram analistas, numa reformulação de estratégia com o objetivo de renovar a companhia holandesa.

A América Móvil, controlada por Slim, adquiriu uma participação de 27,7 por cento da KPN na semana passada e passou a ser seu maior acionista, com controle efetivo devido à baixa assiduidade em reuniões de acionistas.

A KPN, maior provedora de telecomunicações da Holanda e ex-monopólio estatal, está enfrentando quedas de lucro no mercado doméstico, onde clientes de celulares cada vez mais fazem uso de aplicativos para a internet em vez de mensagens de texto.

Após seu lucro cair 13 por cento no primeiro trimestre, a KPN disse que novos planos tarifários e um programa de cortes de custos darão frutos mais tarde neste ano. Agora analistas esperam que a América Móvil realize medidas mais radicais -reduzindo o dividendo para investir em redes para telefones fixos e celulares.

A analista Robin Bienenstock, da Bernstein, disse nesta quarta-feira que a KPN pode anunciar um corte de 50 por cento de seu dividendo para ajudar a financiar um futuro leilão de espectros na Holanda.

A América Móvil não deve concordar em vender a BASE, unidade belga do grupo, que a KPN pretendia alienar antes de Slim assumir o comando da empresa, disse.

"Vender um de seus negócios de mais rápido crescimento para conceder dinheiro a investidores não faz sentido financeiramente", disse Robin, adicionando que o vice-presidente de Finanças da América Móvil, Carlos Garcia-Moreno, havia dito que os negócios belgas da KPN eram um ativo atraente.

O corte de dividendos pode ocorrer a partir de 24 de julho, quando a KPN divulga seu resultado trimestral, disse ela. Um porta-voz da KPN se recusou a comentar.