WikiLeaks diz que divulgou emails "constrangedores" da Síria

quinta-feira, 5 de julho de 2012 10:45 BRT
 

LONDRES, 5 Jul (Reuters) - O site WikiLeaks disse nesta quinta-feira que começou a publicar mais de 2 milhões de emails escritos entre agosto de 2006 e março de 2012 por autoridades da Síria, que vão envergonhar não apenas o governo sírio, que tenta reprimir uma revolta de 16 meses contra o regime, mas também seus oponentes.

"O material é constrangedor para a Síria, mas também é constrangedor para os oponentes da Síria", disse nota assinada pelo fundador do WikiLeaks, Julian Assange. "Ele nos ajuda a não meramente criticar um ou outro grupo, mas a entender seus interesses, ações e pensamentos. Só pela compreensão desse conflito podemos ajudar a resolvê-lo."

Segundo o WikiLeaks, os emails obtidos por hackers vão mostrar o funcionamento do governo e da economia da Síria, e "também vão revelar como o Ocidente e companhias ocidentais dizem uma coisa e fazem outra".

Líderes da oposição e governos ocidentais dizem que forças do governo sírio já mataram mais de 15 mil pessoas em 16 meses de repressão a uma rebelião contra o presidente Bashar al Assad.

Os documentos divulgados pelo WikiLeaks incluem desde correspondências íntimas de dirigentes do partido governista Baath até registros de transferências financeiras feitas por ministros a outros países, segundo o site.

(Reportagem de William Maclean)