UE muda posição sobre plano de banda larga com fibra ótica

quinta-feira, 12 de julho de 2012 15:05 BRT
 

Por Claire Davenport e Leila Abboud

BRUXELAS/PARIS, 12 Jul (Reuters) - Reguladores europeus recuaram dos planos de forçar grandes operadoras de telecomunicações a cobrar menos de rivais menores pelo uso de capacidade em suas redes, mudando o curso de seus esforços para estimular a ampliação de banda larga a partir de fibra ótica.

A Comissão Europeia argumentou que a única maneira de fazer com que as operadoras retomem o ritmo para construir mais rapidamente redes de fibra é tornar o aluguel das linhas de cobre menos lucrativos.

A ideia resultou em meses de indisposição entre reguladores e grandes operadoras, com o presidente-executivo do grupo Telecom Italia chamando a proposta de "simplesmente louca".

Grandes operadoras receberam bem o reposicionamento da comissão nesta quinta-feira, enquanto representantes de cerca de 100 provedores de Internet alternativos reclamaram que a mudança de posicionamento significa que clientes continuarão a pagar mais.

Empresas que alugam capacidade, como Fastweb e Iliad, argumentam que os preços são muito altos, ao passo que os donos das redes de cobre afirmam precisar dos recursos dos aluguéis para investir em infraestrutura de fibra.

Governos e autoridades europeias estão ficando cada vez mais preocupados de que a economia da região pode ficar atrás da Ásia e dos EUA por conta da falta de conectividade de banda larga.

Ao fim de 2011, por exemplo, a UE tinha apenas um quarto dos 20 milhões de clientes conectados a fibra ótica registrados no Japão em 2010, embora a população japonesa seja bem menor que a europeia.