Intel projeta vendas fracas de computadores

terça-feira, 17 de julho de 2012 18:08 BRT
 

SAN FRANCISCO, 17 Jul (Reuters) - A maior fabricante mundial de chips, Intel, projetou receitas fracas para o atual trimestre, reforçando temores de que a crise na economia mundial e a falta de interesse de consumidores estejam prejudicando as vendas de computadores.

Economias instáveis na Europa e nos Estados Unidos e a crescente preferência de consumidores por tablets iPad, da Apple, têm exercido seu peso sobre o mercado de PCs.

A empresa também reduziu sua projeção de crescimento de receita em 2012 para entre 3 e 5 por cento, abaixo da estimativa anterior de "quase 10 por cento".

A Intel fornece processadores para 80 por cento dos PCs do mundo, mas ainda não realizou progresso significativo no setor de rápido crescimento de tablets e smartphones, produtos que fazem uso de chips baseados em tecnologia da britânica ARM Holdings.

"O crescimento sazonal que a Intel está prevendo é menor que o normal. Ela está claramente levando em conta as condições macroeconômicas mundiais", disse o analista Doug Freedman, do RBC. "A demanda sazonal normal por PCs geraria crescimento no terceiro trimestre de pelo menos 9 a 10 por cento, e a previsão da Intel está confortavelmente abaixo disso".

A Intel teve no segundo trimestre receita de 13,5 bilhões de dólares e lucro líquido de 2,8 bilhões de dólares, ou 0,54 dólar por ação, num momento em que a indústria de computadores pessoais encara uma economia global em dificuldades e consumidores buscando cada vez mais tablets.

A maior fabricante mundial de chips estima receita no terceiro trimestre de 14,3 bilhões de dólares, com variação de 500 milhões de dólares para mais ou menos.

Analistas esperavam receita de 13,56 bilhões de dólares para o segundo trimestre e de 14,6 bilhões de dólares para o trimestre atual, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S.

A ação da Intel caiu 1,5 por cento no after-market, voltando a subir em seguida, após fechar em alta de 0,99 por cento, a 25,38 dólares, na Nasdaq.

(Por Noel Randewich)