Alcatel cortará 5.000 empregos para reduzir custos

quinta-feira, 26 de julho de 2012 11:06 BRT
 

Por Leila Abboud

PARIS (Reuters) - A fabricante de equipamentos de telecomunicações Alcatel-Lucent demitirá cinco mil funcionários, e sairá, ou se reestruturará, em mercados de baixa lucratividade, ao passo que busca cortar custos em 1,25 bilhão de euros (1,5 bilhão de dólares) até o final do ano que vem, parte do esforço para combater fortes concorrentes e fraca demanda.

A medida surgiu depois que o grupo franco-americano alertou na semana passada que não cumpriria sua meta de margem lucro em 2012, e anunciou um prejuízo operacional ajustado de 40 milhões de euros no segundo trimestre.

A decisão de cortar 6,4 por cento dos 78 mil funcionários da empresa em todo o mundo é sinal de que o presidente-executivo, Ben Verwaayen, acredita que ações mais audaciosas são necessárias para conter a queda dos preços das ações e problemas constantes como o alto consumo de reservas de caixa e custos operacionais elevados.

No entanto, as propostas são mais modestas que as da rival Nokia-Siemens Networks, que prometeu cortar um quarto de seus funcionários, ou 17 mil postos de trabalho.

A Alcatel também está adotando seu plano em um momento de corte dos gastos das grandes operadoras de telefonia com equipamentos de rede, em meio à fraqueza da economia mundial, e tem de enfrentar a feroz concorrência da Huawei Technologies e da Ericsson.

Pierre Ferragu, analista da Bernstein, disse que o plano não era suficientemente ambicioso, tendo em vista os desafios que o grupo enfrenta, e que não resolveria problemas estruturais tais como o excesso de produtos na linha da empresa.

"Pelo contrário, as demissões propostas custarão muito dinheiro e correm o risco de acelerar os problemas de liquidez da companhia. Estamos cada vez mais em uma situação na qual a Alcatel corre o risco de não conseguir refinanciar suas necessidades em 2014", disse.

Sob o comando de Verwayeen, a Alcatel enfim registrou seu primeiro lucro anual desde que foi formada em 2006 pela fusão entre a Alcatel e a Lucent Technologies, mas o presidente-executivo não conseguiu resolver todos os problemas da companhia.   Continuação...