Ações da HTC registram maior queda em quatro anos

terça-feira, 7 de agosto de 2012 12:21 BRT
 

TAIPEI, 7 Ago (Reuters) - As ações da HTC atingiram o limite intradiário de queda pela segunda sessão seguida, aproximando-se do menor valor em quatro anos nesta terça-feira, após a fabricante taiwanesa de celulares inteligentes prever queda da receita trimestral, o que levou várias corretoras a reduzir a recomendação para a empresa.

Quinta maior do mundo no setor, mas hoje em desvantagem diante de rivais como a Apple e a Samsung Electronics, a HTC divulgou na sexta-feira uma projeção de queda de faturamento de até 23 por cento no terceiro trimestre, muito pior que as expectativas dos analistas.

“"Há quem considere que a HTC pode registrar prejuízo já no quarto trimestre deste ano", disse Michael On, diretor executivo da Beyond Asset Management.

“"O futuro da empresa não parece bom. Ela não consegue competir com a Samsung. Na última vez em que os preços de suas ações estiveram tão baixos, ela pelo menos estava registrando lucro", acrescentou.

As ações da HTC caíram em 7 por cento, para 240,50 dólares de Taiwan, sua cotação mais baixa desde novembro de 2008, enquanto o índice taiwanês subia em 0,2 por cento.

A HTC, que começou como fabricante terceirizada, teve uma ascensão meteórica em 2010 e no começo de 2011, com alta de mais de 300 por cento em 14 meses, o que levou a cotação de suas ações a 1.238,10 dólares de Taiwan em abril de 2011. As vendas da empresa quadruplicaram em 18 meses e os consumidores estavam encantados com seus aparelhos inovadores, caracterizados por relógios com números vistosos.

Mas depois veio uma queda igualmente rápida, quando a empresa não se provou capaz de acompanhar o desempenho do Apple iPhone e da linha Samsung Galaxy.

A HTC projetou receita de entre 70 bilhões e 80 bilhões de dólares de Taiwan (de 2,3 bilhões a 2,7 bilhões de dólares) para o terceiro trimestre, ante 91 bilhões de dólares de Taiwan no segundo trimestre e uma média de 92,51 bilhões de dólares de Taiwan entre os analistas pesquisados pela Thomson Reuters.

(Reportagem de Clare Jim)