Kodak venderá negócios de impressão e digitalização de documento

sexta-feira, 24 de agosto de 2012 13:17 BRT
 

Por Nick Brown

NOVA YORK (Reuters) - A Eastman Kodak disse nesta quinta-feira que planeja vender a maioria de suas unidades de digitalização de documentos e de equipamentos de impressão, voltando seu foco para a impressão comercial no momento em que trabalha para sair da concordata.

A outrora dominante no mercado de fotografias, que está no meio de um leilão de seu portfólio de patentes digitais, espera completar as vendas até meados de 2013, afirmou o presidente-executivo, Antonio Perez, em uma teleconferência nesta quinta-feira.

A companhia precisa levantar aproximadamente 700 milhões de dólares para pagar seus credores e sair da concordata, e inicialmente esperava que sua venda de patentes gerasse pelo menos essa quantia. Porém, mais de duas semanas após seu leilão e ainda sem um acordo, a companhia deve estar à procura de outros caminhos para levantar recursos.

"Para assegurar financiamento suficiente para o surgimento de emergências (a partir da concordata), a venda desses segmentos é importante neste sentido", disse Perez na conferência.

A Kodak entrou em concordata em janeiro, incapaz de se adaptar às mudanças no mercado de imagens digitais.

Os negócios a serem vendidos são segmentos de imagens personalizadas da Kodak, que incluem a maioria de produtos de consumo e quiosques de impressão no varejo, e sua divisão de digitalização de imagens, que fabrica scanners para consumidores empreendedores.

Perez não quis comentar o progresso da venda de patentes. O Wall Street Journal publicou reportagem no início desta semana que aponta que as ofertas iniciais, inclusive as da Apple e do Google, ficaram abaixo do que a empresa esperava.

O leilão teve início em 8 de agosto e previsto para encerrar em 13 de agosto, mas a Kodak estendeu o prazo final enquanto as negociações continuam sem um comprador.

As vendas agora anunciadas sigificariam que a Kodak emergiria da concordata como uma companhia diferente do que era, com foco menor sobre consumidores finais ou varejistas, e atenção mais pesada sobre impressoras comerciais e funcionais.

Perez não revelou o valor estimado dos segmentos que serão vendidos.