Intel delineia futuro de PCs em fórum de programadores

terça-feira, 11 de setembro de 2012 16:00 BRT
 

Por Noel Randewich

SAN FRANCISCO, 11 Set (Reuters) - A Intel mostrou tablets e computadores ultrabook híbridos com controles por voz e gestos, além de um novo chip de baixo consumo de energia, em um esforço para convencer Wall Street de que a queda do setor de computadores pessoais será apenas temporária.

No Intel Developer Forum, um evento anual em San Francisco, a empresa demonstrou esguios "ultrabooks" com tecnologia aperfeiçoada de controle por reconhecimento de voz e gestos, semelhantes a recursos já disponíveis em alguns celulares inteligentes.

O novo processador da Intel, desenvolvido sob o codinome Haswell e que deve chegar ao mercado na safra de laptops a ser lançada na temporada de compras do fim do próximo ano, terá poder de processamento e recursos gráficos superiores, e o objetivo do projeto é reduzir o consumo de eletricidade de 17 para 10 watts, de acordo com a companhia.

"Foi projetado tendo em mente a mobilidade... de tablets finos a ultrabooks e computadores de mesa de alto desempenho", disse David Perlmutter, gerente geral do Grupo de Arquitetura da Intel.

Para a Intel, mostrar suas mais recentes inovações no fórum desta semana é essencial para convencer investidores e fabricantes de hardware de que o setor de computadores pessoais continua inovador e ainda tem futuro.

Perlmutter falou de tablets com telas extensíveis e de laptops com teclados removíveis como aparelhos que, em sua opinião, podem ganhar popularidade com o lançamento do Microsoft Windows 8, que terá capacidade de controle por toque.

A líder entre os fabricantes de chip reduziu sua projeção de receita para o terceiro trimestre por margem superior à esperada, na sexta-feira, devido à queda na demanda por seus chips, com a redução de estoques por seus clientes e a compra de número mais baixo de computadores pelas companhias.

Os processadores da Intel equipam 80 por cento dos computadores do planeta, mas a empresa demorou a adaptar seus chips aos celulares inteligentes e tablets.

Está em desvantagem nesse segmento diante da Qualcomm e Samsung Electronics, que criam chips baseados na arquitetura da ARM Holdings, a qual propicia maior economia de energia.