Declaração de Zuckerberg sobre serviço de buscas divide analistas

quinta-feira, 13 de setembro de 2012 12:10 BRT
 

SÃO FRANCISCO, 13 Set (Reuters) - O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, levantou um alerta que pode deflagrar uma corrida para combinar as redes sociais com o serviço de buscas, um das partes mais valiosas da indústria de tecnologia.

Há muito tempo sob domínio do Google, o mercado de buscas é "uma grande oportunidade" que o Facebook está em condição única de aproveitar, disse Zuckerberg em uma conferência de tecnologia em São Francisco, na quarta-feira.

O comentário de Zuckerberg, o mais claro sinal de que o Facebook mira um dos mais lucrativos mercados da Internet, acontece enquanto as receitas publicitárias estão em queda e ajudou a sustentar o preço das ações do Facebook após constantes quedas.

As ações do Facebook, que até a terça-feira acumulavam queda de 50 por cento desde a oferta pública inicial, fecharam o pregão de quarta-feira com alta de 7,7 por cento, a 20,93 dólares, o maior ganho diário desde o IPO, em maio.

Na primeira aparição pública desde o IPO, Zuckerberg destacou os avanços da companhia nas operações móveis e mostrou otimismo quanto às perspectivas de lucro.

A declaração de Zuckerberg sobre buscas despertou grande interesse de analistas de Wall Street e observadores do setor de tecnologia, embora não houvesse acordo entre eles quanto ao formato que um serviço de busca do Facebook poderia ter ou quando seria o lançamento.

"O Facebook talvez seja a única companhia do mundo que poderia de fato enfrentar o Google e sair vitoriosa, no que diz respeito a buscas", opiniou Gerry Campbell, que trabalhou com buscas em várias empresas por mais de dez anos e foi assessor do Summize, um serviço de buscas no Twitter adquirido pelo Twitter em 2008.

(Por Alexei Oreskovic)

 
CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, fala durante sessão de perguntas e respostas da conferência TechCrunch Disrupt, em São Franciso, Califórnia. Zuckerberg levantou um alerta que pode deflagrar uma corrida para combinar as redes sociais com o serviço de buscas. REUTERS/Beck Diefenbach