Sem novas antenas, rede 4G pode ter problemas em 2014

terça-feira, 25 de setembro de 2012 15:55 BRT
 

SÃO PAULO, 25 Set (Reuters) - A dificuldade de construir novas antenas poderá levar a problemas na rede de telefonia móvel de quarta geração (4G) em 2014, quando a demanda por esses serviços for maior, disseram executivos das operadoras Vivo e TIM nesta terça-feira.

"Essa é uma das grandes preocupações que temos com 4G", afirmou o presidente da Telefônica Vivo, Antonio Carlos Valente, em evento na Fiesp.

"O problema não é algo que vai se manifestar em 2013, mas já para dezembro de 2013 começa a preocupar a velocidade para novos sites (de antenas)", acrescentou.

As operadoras terão que oferecer serviços de 4G nas cidades que receberão os jogos da Copa das Confederações já no próximo ano, devendo ampliar o numero de municípios atendidos posteriormente.

Para Valente, o compartilhamento de antenas, que já é feito em diferentes escalas pelas operadoras, terá que aumentar, mas não será suficiente. "Ainda que haja compartilhamento, vamos ter a necessidade de novos sites", afirmou.

Janilson Bezerra da Silva Junior, diretor de Inovação Técnica da TIM, afirmou que as diversas legislações municipais preocupam o setor.

"A questão das antenas é complicada pela legislação municipal... Mas para 2013 o problema não é tão significativo porque não teremos ainda grande demanda nessas redes", disse.

O governo vem tentando lidar com os entraves para a instalação de antenas em vista do 4G, para o qual o setor estima que exigirá cerca de três vezes mais antenas do que há atualmente.

As quatro maiores operadoras do país --Vivo, TIM, Claro e Oi-- venceram em junho licitação pelas licenças nacionais para operar na faixa de radiofrequência a partir de 2,5 gigahertz, destinada para o 4G.

(Por Roberta Vilas Boas)