Huawei contata bancos para possível IPO, mas não há decisão--fontes

sexta-feira, 5 de outubro de 2012 11:58 BRT
 

HONG KONG/CINGAPURA, 5 Out (Reuters) - A chinesa Huawei Tecnologies , segunda maior fabricante mundial de equipamentos para telecomunicações, contatou bancos de investimento para uma possível oferta pública inicial de ações (IPO, em inglês), mas não tomou decisões sobre levar a transação adiante.

O Wall Street Journal havia reportado anteriormente que a Huawei procurou bancos de investimento solicitando assessoria para uma oferta pública, o que é visto como forma de tornar a empresa mais transparente e ajudá-la a conquistar grandes contratos em mercados como o norte-americano, ainda que não tenham sido selecionados bancos para a operação e nada tenha sido decidido.

"Não descartamos a possibilidade de abertura do capital. Sempre estivemos em contato com bancos, mas não creio que algo tenha sido decidido", disse à Reuters uma fonte próxima à companhia.

A Huawei está considerando a abertura de capital há alguns anos, mas não houve grande progresso devido à complicada estrutura acionária da empresa e à dúvida de que o IPO ajudaria de fato a debelar as suspeitas dos legisladores norte-americanos com relação à companhia, disseram fontes à Reuters.

Uma fonte bancária disse que a Huawei vem demonstrando interesse ocasional na ideia de abrir seu capital, mas que não estava ciente de que houvesse algo acontecendo a respeito, no momento.

A Huawei, que também é a sexta maior fabricante mundial de celulares, declarou em mensagem por e-mail que se recusa a comentar sobre rumores de mercado.

A Huawei e sua rival chinesa ZTE vêm obtendo sucesso na venda de celulares nos Estados Unidos, mas enfrentam obstáculos para a venda de seus equipamentos de telecomunicações, os produtos mais importantes de suas linhas, pela oposição de legisladores norte-americanos, que têm preocupações de segurança quanto às duas companhias.

Fontes apontaram que a ZTE ainda enfrenta problemas de acesso ao mercado norte-americano e questões de legisladores dos EUA embora seja uma empresa de capital aberto.

(Por Lee Chyen Yee e Elzio Barreto em Hong Kong e Michael Urquhart em Cingapura)