Portugal Telecom manterá "disciplina de custos", diz Zeinal Bava

quarta-feira, 17 de outubro de 2012 11:11 BRT
 

LISBOA (Reuters) - A Portugal Telecom vai manter uma "forte disciplina de custos" e quer capitalizar a sua aposta no Brasil e na África para compensar os efeitos previstos de uma maior austeridade em Portugal, disse o presidente da companhia, Zeinal Bava.

A proposta orçamentária de Portugal para 2013 que o governo de centro-direita entregou ao parlamento em 15 de outubro prevê um aumento significativo da carga fiscal, que segundo os analistas deverá reduzir a renda disponível das famílias e, assim, prejudicar as vendas das empresas.

"Naturalmente vamos ser confrontados com desafios enormes e vamos responder de duas formas: manter uma forte disciplina de custos e continuar a nos beneficiar da diversificação geográfica e do investimento em novas tecnologias", disse Bava ao final de uma conferência da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações, na terça-feira à noite.

Ele lembrou que cerca de 60 por cento dos negócios da Portugal Telecom ocorrem fora do país e se referiu à presença da operadora em mercados em crescimento, como Brasil e Angola, onde a empresa tem participações acionárias na Oi e na Unitel, respectivamente.

A presença nestes mercados ajuda a compensar as más perspectivas domésticas, com Portugal atolado na mais profunda recessão dos últimos 30 anos, por conta das duras medidas de austeridade impostas no plano de resgate de 78 bilhões de euros acertado em maio de 2011 com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Bava afirmou ainda que a recente emissão de 750 milhões de euros realizada pela Portugal Telecom ajudou a estender os vencimentos de dívida até 2016. "A Portugal Telecom está financiada até 2016 e isso nos permite olhar o futuro com confiança", disse o executivo. "A empresa não vai passar por estresse de financiamento até julho de 2016", acrescentou.

 
Portugal Telecom quer capitalizar investimentos no Brasil e na África para compensar austeridade em Portugal. 07/02/2006. REUTERS/Jose Manuel Ribeiro