Nvidia revela console portátil movido por chip Tegra 4

terça-feira, 8 de janeiro de 2013 11:57 BRST
 

LAS VEGAS, Estados Unidos (Reuters) - A Nvidia exibiu nesta semana um console portátil de videogames equipado com seu mais recente processador Tegra 4. A companhia espera que o aparelho ajude seus esforços para competir contra Sony e Microsoft.

Chamado de "Projeto Shield", o aparelho, um cruzamento entre um controlador familiar à maior parte dos usuários de videogames com uma tela pequena de tablet, será vendido diretamente aos consumidores, numa estratégia pouco comum para uma companhia mais conhecida por placas de processamento gráfico e microprocessadores para dispositivos móveis.

A revelação do aparelho no início desta semana pegou a indústria de surpresa. A Nvidia forneceu poucos detalhes além das especificações mais básicas. Executivos afirmaram que quando a empresa lançar o produto, ele poderá executar jogos compatíveis com o sistema operacional Android. O aparelho também é capaz de receber streams de jogos de PCs.

"Tudo o que você faz com o seu aparelho Android funcionará aqui", afirmou o presidente-executivo da Nvidia, Jen-Hsun Huang, a jornalistas, antes da abertura da feira Consumer Electronics Show, em Las Vegas. "Este é o ápice de cinco anos de trabalho."

SEGREDO

A Nvidia tem mantido sigilo elevado sobre o Projeto Shield, com apenas poucos protótipos circulando dentro da companhia, afirmou uma fonte da empresa à Reuters. Huang não disse quando o aparelho, ou o chip Tegra 4 que o equipa, começará a ser vendido. Ele não informou nem o preço.

Tablets e celulares inteligentes possuem limitadas funções de controle de jogos, como arrastar e bater os dedos. Ao integrar um controlador em uma tela, a Nvidia pode estar mirando jogadores mais frequentes de jogos como os de tiro em primeira pessoa ou outros títulos de ação intensa atualmente disponíveis para console.

Desenvolvedores ainda não se mostraram bem sucedidos em trazer tais jogos para aparelhos móveis como o tablet iPad, da Apple, dizem analistas.

"Numa primeira avaliação, isso parece mais voltado a atacar o setor de dispositivos móveis e de tablets em vez de impactar a experiência de consoles da Microsoft ou da Sony", disse Jesse Divnich, analista da empresa de pesquisa do mercado de videogames EEDAR.   Continuação...