Chairman da Samsung Elec vence disputa jurídica de US$4 bi

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013 18:01 BRST
 

SEUL, 1 Fev (Reuters) - O presidente do Conselho Administrativo da Samsung Electronics, Lee Kun-hee, evitou um processo de membros distantes da família que exigiam que ele entregasse bilhões de dólares em ações de companhias Samsung, já que um tribunal sul-coreano emitiu um veredito a seu favor nesta sexta-feira.

Lee, de 71 anos de idade, e a Samsung Everland, uma holding do maior conglomerado do mundo, defendiam-se em três processo de parentes de Lee que buscavam quase 4 bilhões de dólares em ativos da Samsung Life Insurance, que fica no coração dos ativos do grupo Samsung, e da Samsung Electronics, a joia da coroa do grupo.

O processo provavelmente não iria privar Lee do controle da Samsung Electronics, maior fabricante de smartphones, televisões e chips de memória do mundo.

Mas um veredito contra ele teria diluído seus ativos e poderia forçar uma reformulação da intricada composição acionária do grupo Samsung se ele mantivesse o controle.

A decisão também surgiu num momento-chave para os planos de sucessão da gigante de eletrônicos, meses após o filho de Lee, Jay Y. Lee, de 44 anos, ser promovido a vice-presidente do Conselho Administrativo.

A Samsung simboliza o sucesso dos conglomerados "chaebol" da Coreia do Sul em uma escala global, onde ela disputa com a Apple e seu smartphone Galaxy está vendendo mais do que o iPhone.

Um juiz de um tribunal em Seul determinou que Lee pode manter mais de 1 bilhão de dólares em ações da Samsung Electronics e mais 1 bilhão de dólares em ações da Samsung Life.

O veredito também permite que a Samsung Everland, uma pequena operadora de zoológicos, mantenha sua fatia de 1 bilhão de dólares na Samsung Life. Lee vai permanecer como o maior acionista da Samsung Life, com uma participação de 20,76 por cento.

Os processos acusavam Lee de esconder de seus parentes bilhões de dólares em ações herdados de seu pai, fundador da Samsung, enquanto Lee rebateu dizendo que, como o sucessor escolhido por seu pai, ele tinha liberdade para transferir ações da empresa.

(Por Ju-min Park e Daum Kim)