Ações da ARM atingem máxima em 12 anos após lucro acima do esperado

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 11:14 BRST
 

LONDRES, 5 Fev (Reuters) - A ARM, projetista britânica de chips, superou as expectativas de crescimento do lucro trimestral, favorecida pela disparada nas vendas de tablets e smartphones, que em grande parte contam com a tecnologia da empresa.

As ações do grupo sediado em Cambridge se valorizaram em 51 por cento nos 12 últimos meses, atingindo a maior cotação em 12 anos, e analistas afirmaram que as perspectivas positivas resultariam em elevação de 5 a 6 por cento nas projeções de lucro da empresa em 2013.

A ARM Holdings anunciou crescimento de 16 por cento no lucro antes de impostos, superando as expectativas do mercado. A companhia licencia sua tecnologia para uso por fabricantes de chips e recebe royalties sobre cada chip vendido em aparelhos como os da Apple e da Samsung Electronics.

Consumidores de todo o mundo estão cada vez mais recorrendo a aparelhos móveis, e não a computadores, para acesso à Internet --uma tendência que beneficia a ARM.

"Cinco anos atrás, havia processadores da ARM em cerca de um quarto dos aparelhos usados para navegar na Internet", disse o vice-presidente de finanças da companhia, Tim Score, a jornalistas, nesta terça-feira. "No ano passado, três quartos das telas e aparelhos conectados à Internet usavam um processador ARM em seu chip principal."

Os mais recentes tablets e smartphones tipicamente contêm múltiplos processadores com arquitetura ARM e cada vez mais usam placas gráficas da mesma origem, o que ajudou a elevar os royalties da companhia no trimestre em 19 por cento, para 136,8 milhões de dólares, desempenho fortemente superior à média do mercado.

A companhia calcula seus royalties com um trimestre de atraso, de modo que a receita considera os 2,5 bilhões de chips fabricados com base em seus projetos e vendidos no terceiro trimestre.

A receita com licenciamento subiu 28 por cento, para 100,6 milhões de dólares, com 15 novas licenças, elevando a 36 o total de licenciados para produzir a linha Cortex-A de processadores para computação móvel, servidores e computação empresarial, recentemente lançada pela ARM.

(Por Paul Sandle)