Presidente do Yahoo diz que acordo com Microsoft é insatisfatório

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013 11:41 BRST
 

SAN FRANCISCO, 13 Fev (Reuters) - Marissa Mayer, presidente-executiva do Yahoo, disse que a parceria entre sua empresa e a Microsoft no segmento de buscas não está propiciando os ganhos de mercado ou o estímulo à receita esperados.

"Um dos pontos da aliança é que desejamos ampliar nossa participação de mercado juntos, e não simplesmente trocarmos participação um com o outro", disse Mayer durante a Goldman Sachs Technology and Internet Conference, na terça-feira, em San Francisco.

Na primeira participação em uma conferência com investidores desde que assumiu as rédeas do problemático portal online, em julho, Mayer disse que planejava reduzir o grande número de aplicativos oferecidos pela empresa e reiterou seu foco em convencer os usuários a passar mais tempo nas áreas online do Yahoo, o que permitiria que a empresa exibisse mais anúncios e faturasse mais.

"Não estou confusa. Nosso maior problema de negócios no momento é exibir mais anúncios. Basicamente, precisamos que mais pessoas vejam anúncios para que possamos ter crescimento aqui", disse Mayer.

Mayer, 37, assumiu o comando do Yahoo depois de um período tumultuado na companhia. Scott Thompson deixou a presidência executiva da empresa em apenas seis meses, após uma controvérsia sobre suas credenciais acadêmicas, que também resultou na renúncia de Jerry Yan, rompendo suas ligações com a empresa.

A receita do Yahoo ficou inalterada em 2012 sobre o ano anterior, em cerca de 5 bilhões de dólares, abaixo dos 6,3 bilhões de dólares de 2010.

"Precisamos que a monetização funcione melhor porque sabemos que isso é possível e vimos outros concorrentes nesse mercado ilustrarem como isso pode funcionar bem", disse Mayer sobre o acordo de buscas com a Microsoft.

Yahoo e Microsoft assinaram em 2010 um acordo de parceria em buscas com duração de dez anos, esperando que seus esforços combinados pudessem criar concorrência capaz de desafiar o Google, líder mundial em buscas. A parceria, entretanto, não atendeu as expectativas.

O Google continua a dominar as buscas, com 66,7 por cento do mercado norte-americano em dezembro, praticamente os mesmos 66,6 por cento que detinha no mesmo mês em 2010, de acordo com a comScore.

(Por Alexei Oreskovic)