February 21, 2013 / 6:40 PM / in 4 years

Microsoft cresce em conceito entre consumidores--Reuters/Ipsos

3 Min, DE LEITURA

Por Gerry Shih

SAN FRANCISCO, 21 Fev (Reuters) - A Microsoft é mais legal do que você possa imaginar, de acordo com uma pesquisa da Reuters/Ipsos.

Segundo o estudo, cerca da metade dos 853 entrevistados entre 18 e 29 anos pensava que a Microsoft é mais legal agora do que era há um ou dois anos.

A fabricante de softwares, frequentemente considerada no Vale do Silício por não ter produtos de desejo que cativem uma nova geração de consumidores orientados para o segmento móvel e mídias sociais, conseguiu superar o Facebook na pesquisa --apenas 42 por cento dos jovens adultos considerou a maior rede social do mundo é mais legal agora do que no passado.

O Twitter obteve 47 por cento, abaixo dos 50 por cento da Microsoft.

Parte dessa percepção sobre a Microsoft deriva de um bem-coordenado esforço de marketing sobre sua recém-chegada linha de tablets Surface, que remodelou a familiar interface do Windows com um visual mais amigável.

Além disso, seu console de videogame Xbox e o acessório de captura de voz e movimentos "Kinect" tem sido um forte apelo a consumidores jovens nos últimos anos.

A Apple, apesar de cair no conceito de muitos investidores de Wall Street, ainda foi bem na pesquisa Reuters/Ipsos, a primeira em uma série que busca medir a percepção de marcas e utilização de produtos para as principais marcas de consumo de tecnologia.

Cerca de 60 por cento dos entrevistados de 18 a 29 anos ainda consideram que a Apple é mais legal agora do que no passado. Mas o Android, do Google, saiu-se ainda melhor, com aceitação de 70 por cento.

Embora o conceito do que é "legal" seja ainda intangível, as percepções de consumidores são essenciais na determinação da longevidade dos produtos, particularmente no dinâmico setor de eletrônicos.

A pesquisa, que será repetida nos próximos meses, incluiu respostas de 4.798 pessoas ouvidas entre 5 e 19 de fevereiro. Os dados são coletados pela Internet entre uma série de candidatos pré-selecionados.

A precisão da pesquisa é medida pela utilização de uma técnica chamada "intervalo de credibilidade" e tem uma margem de precisão de 1,6 ponto percentual. Entre jovens de 18 a 29 anos, esse intervalo é de 3,8 pontos.

Reportagem adicional de Bill Rigby em Seattle e Maurice Tamman em Nova York

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below