Samsung vai mostrar seu novo smartphone Galaxy no território da Apple

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013 11:06 BRT
 

SEUL, 25 Fev (Reuters) - A Samsung Electronics anunciou que lançará seu novo smartphone Galaxy S em Nova York, no dia 14 de março, levando sua luta pela supremacia no mercado ao território da Apple, depois de supostamente ter recebido múltiplos pedidos de operadoras de telefonia móvel norte-americanas.

Será a primeira vez em três anos que o principal modelo de smartphone da linha Galaxy será lançado nos Estados Unidos, disse Chenny Kim, porta-voz da Samsung, e o lançamento acontecerá em meio a uma forte campanha de publicidade da Samsung nos Estados Unidos que zomba gentilmente dos fãs da Apple.

"Nós apresentamos o Galaxy S III em Londres, no ano passado, e este ano transferiremos o lançamento (para Nova York) porque fomos bombardeados com pedidos pelas operadoras de telefonia móvel norte-americanas para que o Galaxy S IV fosse lançado no país", teria declarado JK Shin, o presidente da divisão móvel da Samsung, de acordo com site de notícias Edaily.

O novo modelo Galaxy S deve apresentar tela e câmera com resolução superior à do modelo precedente, bem como um processador quad-core mais rápido, afirmam reportagens.

A Samsung exibiu seu primeiro Galaxy S na feira de tecnologia móvel CTIA, nos Estados Unidos, em 2010; o S II foi mostrado inicialmente na feira MWC, na Espanha, em 2011, e o Galaxy S III em Londres no ano passado.

A Samsung Electronics pode ter perdido a liderança no mercado norte-americano de celulares, mas em termos mundiais a gigante sul-coreana, que fatura 210 bilhões de dólares anuais, deve ampliar sua vantagem diante da rival californiana este ano, com a ajuda de uma linha extensa de produtos.

Investidores da Apple estão ansiosos quanto às perspectivas da empresa diante da intensa concorrência dos smartphones Samsung, mais baratos e equipados com o sistema operacional Android, e de sinais de que o mercado de smartphones mais caros pode estar perto do ponto de saturação nos mercados desenvolvidos.

As ações da Apple caíram em 15 por cento este ano e há informações de que a empresa está reduzindo seus pedidos de telas e outros componentes aos fornecedores asiáticos, porque a crescente concorrência está erodindo a demanda por seu mais recente iPhone.

(Por Hyunjoo Jin)