News Corp apresenta 1o tablet voltado para salas de aula

quarta-feira, 6 de março de 2013 14:32 BRT
 

6 Mar (Reuters) - A Amplify, divisão educativa da News Corp, apresentou na quarta-feira o primeiro tablet produzido especificamente para as salas de aula, em um esforço para capturar parte dos bilhões de dólares gastos nas escolas públicas dos Estados Unidos.

O tablet Amplify chega ao mercado em um momento de interesse reforçado pelo aprendizado digital. As editoras mundiais de livros didáticos e companhias iniciantes combativas estão inundando o mercado de produtos que permitem aos alunos dissecarem uma rã virtual, manipularem frações em uma tela de toque ou aprenderem sobre a Constituição norte-americana por meio de um jogo interativo.

A Amplify está apostando que as autoridades de Educação estarão dispostas a investir centenas de dólares por aluno, mesmo em um período de profundos cortes de orçamento, a fim de operar todos esses softwares em um tablet especializado.

Entre os recursos do novo aparelho há um controle que permite aos professores desabilitarem apps nos tablets dos alunos, para garantir que não estejam jogando Angry Birds quando deveriam estar estudando.

Outro recurso permite aos mestres enviarem testes de múltipla escolha regularmente aos tablets dos alunos para verificar se estão entendendo a aula.

"Isso vai mudar a maneira pela qual os professores ensinam e os alunos aprendem, porque é projetado por eles e para eles", disse Joel Klein, presidente-executivo da Amplify, que comandava o sistema de ensino público de Nova York antes de ser contratado pela News Corp em 2010.

Mas rivais dizem que a maioria dos recursos que caracterizam o novo tablet já está disponível em plataformas de software disponíveis na Web e pode operar em qualquer aparelho - iPads, tablets Android, smartphones e laptops.

A editora Pearson, uma gigante dos livros didáticos, atende a quase 20 milhões de estudantes ao ano usando duas dessas plataformas, disse o presidente-executivo do K12 Technology Group, da Pearson, Jonathan Harber.

As plataformas oferecem flexibilidade suficiente para que algumas escolas permitam aos alunos acessar conteúdo digital usando aparelhos pessoais.

Outras instituiç~ies optaram por comprar aparelhos para cada aluno, mas nenhum modelo específico emergiu como a escolha preferencial.

(Por Jennifer Saba e Stephanie Simon)