Nokia Siemens vê retomada de demanda por equipamento 3G no Brasil

quinta-feira, 18 de abril de 2013 16:57 BRT
 

Por Sérgio Spagnuolo

RIO DE JANEIRO, 18 Abr (Reuters) - A Nokia Siemens Networks, uma das maiores fabricantes mundiais de equipamentos de telecomunicações, começou a ver em abril a retomada na demanda por antenas de telefonia móvel 3G no Brasil, após uma corrida para a instalação da rede de telefonia móvel de quarta geração, disse um executivo sênior da companhia.

À medida que operadoras de telefonia se concentravam para cumprir as exigências do governo para o 4G --para ter essa rede em operação antes do fim de abril-- a demanda por equipamentos 3G desacelerou no primeiro trimestre, afirmou o diretor de tecnologia para América Latina, Wilson Cardoso.

"Grande parte dos recursos foram canalizados para cumprir a meta de cobertura da Copa das Confederações, então deu uma segurada no 3G", disse Cardoso à Reuters.

"Agora já vemos um crescimento da demanda do 3G neste meio de abril", complementou, sem dar detalhes.

A Nokia Siemens, joint-venture entre a alemã Siemens e a finlandesa Nokia, produz equipamentos 4G em fábrica de Sorocaba, interior de São Paulo, em parceria de manufatura com a Flextronics, anunciada no segundo semestre de 2012.

Com o novo regime especial de tributação do Programa Nacional de Banda Larga (REPNBL), regulamentado em fevereiro para estimular investimentos no setor de telecomunicações, a Nokia Siemens deve começar a produzir equipamentos 2G e 3G.

"Com o REPNBL devemos ampliar o nosso portfólio para 2G e 3G", afirmou o executivo. Os sistemas 2G oferecem serviços de dados a velocidade baixas de conexão, sem a necessidade de ativação de redes móveis de banda larga.

No primeiro trimestre, foram produzidas cerca de 500 estações rádio-base (ERB) mensalmente para as redes LTE --padrão mais utilizado para o 4G-- de acordo com o executivo, praticamente a capacidade de um turno de trabalho da fábrica.   Continuação...