Facebook vai construir centro de dados perto de Des Moines, em Iowa

terça-feira, 23 de abril de 2013 15:36 BRT
 

Por Alexei Oreskovic

SÃO FRANCISCO, 23 Abr (Reuters) - O Facebook está construindo um centro de dados perto de Des Moines, no estado de Iowa, para reforçar seu poder de processamento, conforme lança novos serviços e o uso crescente de smartphones aumenta a pressão sobre a sua infraestrutura.

Este estabelecimento em Altoona, Iowa, será o quarto da empresa de rede social desde 2010, quando o Facebook iniciou a construção de seu primeiro centro de dados em Prineville, Oregon.

O Facebook não revelou o custo do novo centro, mas disse que estaria dentro dos 1,8 bilhão de dólares em despesas de capital que havia projetado para 2013, em janeiro. Uma reportagem do jornal Des Moines Register, na sexta-feira, citando fontes não identificadas, colocou o custo total da instalação em 1,5 bilhão de dólares.

A companhia da rede social disse que recebeu a aprovação para o centro da Câmara Municipal de Altoona, na terça-feira. Autoridades de Iowa vêm cortejando empresas de Internet para construírem centros de dados no Estado, atraindo-os com incentivos fiscais.

O novo centro de dados, que será construído em um antigo terreno de campos de trigo e soja comprado pelo Facebook, surge conforme os mais de um bilhão de usuários da rede social estão acessando cada vez mais o serviço em smartphones e tablets.

O vice-presidente de engenharia do Facebook, Jay Parikh, disse que os usuários normalmente acessam o site durante todo o dia, enviando mensagens e fazendo upload de fotos. Para dar suporte a este uso contínuo, ao mesmo tempo em que mantém a capacidade de oferecer novos serviços, requer mais infraestrutura, afirmou Parikh à Reuters, na semana passada.

"Nunca queremos não ser capazes de lançar um produto porque não temos o processamento pronto para algum novo produto incrível", disse Parikh.

A empresa planeja iniciar a construção em junho e espera que o centro de dados esteja funcionando até o final de 2014, disse o vice-presidente de operações do site, Tom Furlong.

(Reportagem de Alexei Oreskovic)