Nível de endividamento da Oi está dentro do esperado, diz Zornig

terça-feira, 30 de abril de 2013 09:59 BRT
 

Por Sérgio Spagnuolo

RIO DE JANEIRO, 30 Abr (Reuters) - O nível de endividamento da Oi veio em linha com o esperado para o primeiro trimestre, ao passo que a companhia mantém sua política de remuneração a acionistas mesmo após a alavancagem ter superado o patamar máximo estipulado para pagamento de dividendos, afirmou o diretor financeiro Alex Zornig.

A Oi divulgou seus resultados na noite de segunda-feira, apresentando uma melhora operacional consistente, puxada pelos segmentos móvel e residencial.

Mas a companhia registrou um nível de endividamento de 3,05 vezes a dívida líquida sobre o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), acima do limite de 3 vezes para aprovação do pagamento de dividendos. No primeiro trimestre de 2012 a relação era de 2 vezes.

"O nível de endividamento da companhia está em linha com o esperado para este trimestre", disse Zornig em resposta a perguntas da Reuters feitas por email.

"Apesar do aumento ocorrido neste trimestre, a companhia está em processo de venda de ativos não estratégicos, o que manterá sua alavancagem controlada e permitirá a execução dos investimentos anunciados", acrescentou. "A política de remuneração dos acionistas está mantida."

A companhia prevê pagar 2 bilhões de reais em remuneração neste ano --1 bilhão referente ao resultado de 2012 e 1 bilhão antecipadamente ao de 2013. Mas o nível de alavancagem para essa antecipação de dividendos deverá ser observado no futuro.

"O pagamento da antecipação de 2013 deverá considerar o resultado dos primeiros seis meses do ano para o cálculo da relação dívida líquida sobre Ebitda", afirmou Zornig. "Assim, esse é um tema que só teremos condições de comentar depois da divulgação dos resultados do segundo trimestre."

A empresa busca vender ativos como certos imóveis e torres de comunicação para ajudar a manter o nível de endividamento sobre controle, e está perto de concluir algumas operações, disse Zornig.   Continuação...