Oi tem melhora operacional no 1o tri; endividamento cresce

terça-feira, 30 de abril de 2013 12:46 BRT
 

Por Sérgio Spagnuolo

RIO DE JANEIRO, 30 Abr (Reuters) - A Oi divulgou resultados operacionais sólidos no primeiro trimestre, com avanço na receita e na geração de caixa operacional, ajudados pelo desempenho em telefonia móvel e em serviços residenciais, mas o nível de endividamento superou o patamar máximo estipulado para pagamento de dividendos.

A operadora de telecomunicações enfrentou o receio de investidores nesse começo do ano sobre sua capacidade de cumprir metas estabelecidas para os próximos anos, após a saída de Francisco Valim do comando, em janeiro.

Uma delas diz respeito à política de remuneração de acionistas, no total de 8 bilhões de reais até 2015, que só seria implementada mediante um nível de endividamento máximo de 3 vezes a dívida líquida sobre o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização). Neste ano o pagamento a acionistas está previsto em 2 bilhões de reais.

No primeiro trimestre, contudo, a dívida líquida do grupo disparou 63,3 por cento, para 27,5 bilhões de reais, levando esse índice de alavancagem para 3,05 vezes.

"O nível de endividamento da companhia está em linha com o esperado para este trimestre", disse o diretor financeiro da empresa, Alex Zornig, em resposta a perguntas da Reuters feitas por email.

"Apesar do aumento ocorrido neste trimestre, a companhia está em processo de venda de ativos não estratégicos, o que manterá sua alavancagem controlada e permitirá a execução dos investimentos anunciados", acrescentou.

A companhia espera ter um acréscimo de 1 bilhão de reais ao caixa "nos próximos meses" com a venda de direitos de uso de torres fixas, afirmou Zornig em teleconferência com analistas.

"Já realizamos a venda de direito de uso de torre fixa, e que nos próximos meses devem entrar 1 bilhão de reais, só nesse assunto específico, de caixa", disse o executivo.   Continuação...