Hackers da LulzSec estão na vanguarda do cibercrime, diz promotor

quinta-feira, 16 de maio de 2013 10:20 BRT
 

LONDRES, 15 Mai (Reuters) - Quatro hackers britânicos que participaram de ataques digitais contra alvos que foram desde a CIA à Sony são audaciosos, arrogantes e motivados por desejo de "diversão anárquica", afirmou um promotor em um tribunal de Londres nesta quarta-feira.

Os homens, que admitiram responsabilidade por uma série de crimes, são membros do coletivo de hackers LulzSec que causou milhões de dólares em prejuízos a redes de computadores de empresas e governos.

"Eles estão na vanguarda de um emergente e contemporâneo tipo de crime internacional conhecido como cibercrime", afirmou o promotor Sandip Patel a um tribunal em Londres, no início da audiência para sentença do grupo.

Entre outros ataques, os homens invadiram computadores do Pentágono, derrubaram um site da CIA e roubaram e publicaram milhões de itens de dados privados como senhas e nomes de usuário de companhias incluindo Fox e Sony.

"Os membros da LulzSec se consideram como piratas dos últimos dias", disse Patel.

Entre os feitos do grupo está invadir o sistema de computadores da News International para publicar uma história falsa de que o controlador da companhia, Rupert Murdoch, havia cometido suicídio.

Ryan Cleary, 21, cujo nome online é ViraL, criou uma rede de computadores zumbis (botnet) formada por 100 mil PCs. Ele forneceu acesso a essa rede ilegal de máquinas a outros hackers que então passaram a ter meios para tirar sites do ar por meio ataques de tipo excesso de requisições.

Cleary admitiu culpa em seis acusações relacionadas a uso indevido de computadores. Ele tem a síndrome de Asperger e se tornou obcecado por computadores na infância. Ele passou a adolescência sozinho em seu quarto sem a companha de amigos, afirmou o advogado John Cooper ao tribunal.

Além de Cleary foram acusados também Ryan Ackroyd, 26; Mustafa Al-Bassam, 18, e Jake Davis, 20, conhecidos como Kayla, tFlow e Topiary, respectivamente.

O suposto líder da LulzSec foi Hector Xavier Monsegur, que mora nos Estados Unidos e era conhecido como "Sabu". Ele foi preso em junho de 2011, mas concordou em cooperar, mantendo sua identidade online por um tempo ao ajudar a levar o FBI a outros membros do grupo.

(Por Estelle Shirbon)

 
Mustafa Al-Bassam, um dos 4 hackers que confessaram culpa por terem participado de ataques digitais em 2011, chega ao Tribunal de Southwark Crown, em Londres, 16 de maio de 2013. Os quatro hackers britânicos que participaram de ataques digitais contra alvos que foram desde a CIA à Sony são audaciosos, arrogantes e motivados por desejo de "diversão anárquica", afirmou um promotor em um tribunal de Londres nesta quarta-feira. 16/05/2013 REUTERS/Luke MacGregor