19 de Junho de 2013 / às 11:50 / 4 anos atrás

Monitoramento da Internet deve ter limites adequados, diz Merkel a Obama

Presidente dos EUA, Barack Obama, e chanceler alemã, Angela Merkel, realizam coletiva de imprensa na Chancelaria, em Berlim. Merkel disse ao presidente Obama que o monitoramento governamental das comunicações via Internet precisa ser realizada dentro dos limites adequados. 19/06/2013 REUTERS/Kevin Lamarque

BERLIM, 19 Jun (Reuters) - A chanceler alemã, Angela Merkel, disse ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nesta quarta-feira, que o monitoramento governamental das comunicações via Internet precisa ser realizada dentro dos limites adequados.

“Deixei claro que, apesar de enxergarmos a necessidade de coleta de informações, o tópico da proporcionalidade é sempre um tema importante e a ordem democrática livre é baseada no sentimento de segurança das pessoas”, disse Merkel em uma coletiva de imprensa conjunta com Obama.

“É por isso que a questão do equilíbrio e da proporcionalidade é algo que vamos continuar a discutir, e sobre as quais nós concordamos com um maior intercâmbio de informações entre o Ministério do Interior alemão e as autoridades competentes nos Estados Unidos.”

Na mesma entrevista, Obama disse que os Estados Unidos atingiram o equilíbrio entre a necessidade de reunir informações de segurança e a proteção às liberdades civis.

“Eu assumi o governo empenhado em proteger o povo americano, mas também comprometido com nossos valores e nossos ideais, e um dos nossos ideais mais altos ideais é a liberdade civil e a privacidade”, disse Obama.

“Estou confiante que, neste ponto, atingimos o equilíbrio apropriado”.

Os Estados Unidos estão sob duras críticas por sua política de vigilância secreta desde que um ex-prestador de serviços da Agência de Segurança Nacional revelou a dois jornais que o governo norte-americano monitorava a atividade telefônica e via Internet de milhões de pessoas.

O autor da denúncia, Edward Snowden, se refugiou em Hong Kong, território chinês semiautônomo, onde pode ser alvo de um processo de extradição para os EUA.

Por Stephen Brown e Noah Barkin

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below