Novas revelações sobre espionagem dos EUA devem ocorrer logo, diz jornalista

terça-feira, 6 de agosto de 2013 22:18 BRT
 

Por Anthony Boadle

BRASÍLIA, 6 Ago (Reuters) - Glenn Greenwald, o jornalista norte-americano que publicou documentos vazados pelo ex-funcionário da inteligência dos Estados Unidos Edward Snowden, planeja fazer novas revelações "dentro dos próximos 10 dias mais ou menos" sobre a vigilância secreta da Internet praticada pelos Estados Unidos.

"Os artigos que publicamos são uma porção muito pequena das revelações que devem ser publicadas", disse Greenwald durante uma audiência na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, que investiga o caso, nesta terça-feira.

"Com certeza vão ter muito mais revelações sobre a espionagem do governo dos Estados Unidos ... e como eles estão invadindo comunicações no Brasil e na América Latina", disse ele.

O correspondente do jornal britânico The Guardian baseado no Rio de Janeiro disse que pediu a ajuda de especialistas para entender alguns dos 15 mil a 20 mil documentos sigilosos da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos que Snowden passou para ele, alguns dos quais são "muito longos e complexos e levam algum tempo para serem lidos".

Greenwald disse à Reuters que não acredita que o site pró-transparência WikiLeaks obteve um pacote de documentos de Snowden e que somente ele e a cineasta Laura Poitras têm arquivos completos do material que vazou.

O jornalista afirmou que Snowden, que estava escondido em Hong Kong antes de viajar à Rússia no fim de junho, estava feliz por deixar o aeroporto de Moscou depois que a Rússia lhe concedeu asilo temporário.

Greenwald também contou que Snowden estava satisfeito em ver o debate que despertou em todo o mundo sobre a privacidade na Internet e os programas secretos de vigilância norte-americanos usados ​​para monitorar e-mails.

"Estou falando com Snowden muito regularmente desde que saiu do aeroporto, quase todo dia. Usamos criptografia muito forte para comunicar", disse o jornalista a parlamentares. "Ele está muito bem."   Continuação...