B2W eleva prejuízo no 2o tri, com impacto do resultado financeiro

quinta-feira, 15 de agosto de 2013 09:26 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A B2W elevou o prejuízo em 26,7 por cento no segundo trimestre sobre o mesmo período do ano passado, sob impacto dos resultados financeiros no período, informou a varejista online nesta quarta-feira.

O prejuízo chegou a 49,3 milhões de reais no período, acima da expectativa de analistas que apontavam, em média, perda de 42,47 milhões de reais em pesquisa da Reuters.

Controlada pela Lojas Americanas, a empresa foi afetada pelo resultado financeiro, que veio negativo em 115,3 milhões de reais, aumento de 19,7 por cento em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

No balanço, a B2W atribuiu o crescimento das despesas financeiras "ao aumento dos descontos concedidos em função do meio de pagamento escolhido", o que estaria "em linha com as práticas de mercado observadas ao longo do período".

Entre abril e junho, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da companhia chegou a 66 milhões de reais, aumento de 19,3 por cento ante igual período do ano passado, com um Ebitda ajustado de 87,4 milhões de reais em linha com as estimativas de analistas.

Segundo a B2W, a etapa representou "o quarto trimestre consecutivo de crescimento de venda em patamares acima do mercado, ganhando market share e demonstrando consistência na estratégia e nos resultados".

Fruto da fusão entre a Americanas.com e o Submarino em 2006, a empresa de comércio eletrônico aumentou as vendas líquidas em 22,1 por cento sobre um ano antes, para 1,21 bilhão de reais.

A evolução foi parcialmente ofuscada pelo crescimento das despesas operacionais, que subiram 32,9 por cento, a 254,8 milhões de reais.

Excluído o resultado financeiro, a empresa teria lucro de 62,2 milhões de reais no período.

A B2W, que também possui em seu portfólio marcas como Shoptime, Ingresso.com e Blockbuster online, terminou o semestre com dívida líquida de 1,063 bilhão de reais, o que representa 3 vezes o Ebitda ajustado acumulado nos últimos 12 meses.

(Por Marcela Ayres)