Nokia vende divisão de celulares para Microsoft por US$7,2 bilhões

terça-feira, 3 de setembro de 2013 10:19 BRT
 

HELSINQUE/SEATTLE (Reuters) - Dois anos depois de atrelar seu futuro ao sistema operacional Windows Phone, a Nokia caiu nos braços da Microsoft, aceitando a venda de suas operações com celulares para a gigante norte-americana por 5,44 bilhões de euros (7,2 bilhões de dólares), num negócio que fez suas ações dispararem mais de 40 por cento nesta terça-feira.

A Nokia, que vai continuar como fabricante de equipamentos para telecomunicações e detentora de patentes, já foi a maior empresa de celulares do mundo, mas acabou superada por Apple e Samsung no competitivo segmento de celulares inteligentes.

O presidente da Nokia, Stephen Elop, que dirigia a área de software para empresas da Microsoft antes de ingressar na Nokia em 2010, vai agora retornar para a companhia norte-americana como presidente de suas operações com dispositivos móveis.

Ele está sendo cotado como um possível substituto ao atual presidente-executivo da Microsoft, Steve Ballmer, que vai se aposentar e está tentando transformar a companhia em uma empresa de aparelhos e serviços, como a Apple, antes de deixar o comando.

"Está muito claro para mim que a racionalidade disto é o caminho certo para seguirmos em frente", disse Elop a jornalistas, apesar de acrescentar que sente "grande tristeza" sobre a operação.

Em três anos sob o comando de Elop, a Nokia viu sua participação de mercado encolher e o preço de sua ação recuar em meio à aposta dos investidores de que sua estratégia fracassaria.

Em 2011, depois de escrever um memorando que afirmava que a Nokia estava ficando para trás e não tinha tecnologia para acompanhar o mercado, Elop tomou uma decisão controversa de usar o sistema operacional da Microsoft para smartphones, o Windows Phone, no lugar da própria plataforma desenvolvida pela Nokia ou do sistema criado pelo Google, o Android, hoje líder de mercado.

A Nokia, que teve uma participação de 40 por cento do mercado de celulares em 2007, agora tem 15 por cento, com uma presença ainda menor em smartphones, de 3 por cento.

Às 8h07 (horário de Brasília), as ações da Nokia disparavam 41,8 por cento, com investidores que tinham alugado e vendido a ação ao apostarem em novas quedas de preços correndo para recomprarem os papéis para limitarem suas perdas. Apesar da alta, o valor da ação da Nokia, de 4,18 euros, é uma fração do pico atingido em 2000, a 65 euros.   Continuação...

 
Smartphone Nokia Lumia 820 com logo da Microsoft na tela é visto nesta foto ilustrativa. Dois anos depois de atrelar seu futuro ao sistema operacional Windows Phone, a Nokia caiu nos braços da Microsoft, aceitando a venda de suas operações com celulares para a gigante norte-americana por 5,44 bilhões de euros (7,2 bilhões de dólares), num negócio que fez suas ações dispararem mais de 40 por cento nesta terça-feira. 3/08/2013. REUTERS/Dado Ruvic