Seguradora do BNP Paribas estuda avanço em e-commerce e setor imobiliário

sexta-feira, 6 de setembro de 2013 12:56 BRT
 

Por Natalia Gomez

6 Set (Reuters) - O braço segurador do BNP Paribas no Brasil, que atua com seguros individuais e voltados para os setores automotivo, varejo e financeiro, vai expandir sua atuação para os setores de comércio eletrônico e imobiliário no Brasil.

Com faturamento de 1,04 bilhão de reais no ano passado e previsão de fechar 2013 com 1,4 bilhão de reais, a BNP Paribas Cardif do Brasil está estudando a criação de produtos para o mercado imobiliário e deve ter alguma definição sobre o tema em 2014.

No segmento de comércio eletrônico, a empresa deu seus primeiros passos há um ano, ao criar uma plataforma online de venda de seguros automotivos simplificados, que contemplam apenas cobertura para roubo e furto, e custam cerca de metade do seguro automotivo tradicional.

"O digital é um canal ainda incipiente para a empresa, mas vai se tornar importante nos próximos anos", afirmou à Reuters o diretor Renato Oliveira, que até julho ocupava a diretoria financeira e desde então comanda o setor de marketing.

Um dos canais para este crescimento é oferecer a garantia estendida de produtos nos sites dos parceiros varejistas, como a Magazine Luiza e a Saraiva, mas a empresa também estuda aproximação de varejistas que atuam exclusivamente pela web.

De acordo com o executivo, a companhia pretende dobrar o faturamento obtido neste ano até 2017, tanto por meio da captação de novos parceiros para distribuição quanto pelo aumento do uso de seguros entre os brasileiros.

Entre os parceiros atuais da BNP Paribas Cardif estão Carrefour, Banco Votorantim, Kalunga e bancos de montadoras como Volswagen e Renault.

Apesar do fraco crescimento econômico, Oliveira acredita que existe fôlego para avanço nas vendas de seguros, que ainda são pouco utilizados no Brasil. Atualmente, a empresa tem 20 milhões de clientes ativos.

No primeiro semestre de 2013, o faturamento da BNP Paribas Cardif do Brasil avançou 33,5 por cento para 651 milhões de reais ante um ano antes. O resultado antes de impostos e participação nos lucros avançou 26 por cento para 102 milhões de reais.

O principal incremento ocorreu no segmento de automóveis, com faturamento 70 por maior ante o primeiro semestre de 2012, seguido pelo setor bancos e financeiras, que cresceu 43 por cento.