Telefónica enfrenta dilema sobre posição na Telecom Italia

terça-feira, 10 de setembro de 2013 08:33 BRT
 

MADRI (Reuters) - O grupo de telecomunicações espanhol Telefónica enfrenta uma grande dor de cabeça italiana. Há seis anos a empresa comprou uma participação na Telecom Italia, que na época buscava um "cavaleiro branco" para afastar outros pretendentes estrangeiros rejeitados pelo governo italiano.

Agora, investidores italianos que junto com a Telefónica controlam a Telecom Italia estão preparados, em vários graus, para vender suas ações na primeira oportunidade que tiverem para deixar o pacto de acionistas em 28 de setembro, disseram fontes.

Isso poderia forçar a Telefónica a tomar uma decisão, seja vender, assumir uma perda em seu investimento ou injetar recursos que não tem para manter sua influência.

O que torna a decisão difícil para a empresa espanhola é o fato de que sua fatia na Telecom Italia ajudou a proteger sua posição em mercados emergentes da América Latina. As duas empresas europeias são rivais no Brasil e na Argentina, onde controlam duas grandes operadoras de telefonia.

Embora a Telefónica não faça parte das deliberações do conselho sobre a unidade da Telecom Italia no Brasil, a TIM Participações, a empresa espanhola se beneficiou nos últimos anos sobre o poder de opinião em estratégia e operações em uma de suas rivais na América Latina. Agora a situação está sob ameaça.

A maior esperança da Telefónica pode ser persuadir seus parceiros da Telecom Italia a permanecerem na empresa, já que as outras três opções parecem desagradáveis: vender com uma perda acentuada, aumento da dívida para combater outros pretendentes ou a fusão com a empresa em dificuldade.

Analistas dizem que a Telefónica não irá fazer uma oferta antes mas poderia fazer uma contraoferta caso outros tentem tomar o controle.

"Enquanto o status quo permanecer ... a Telefónica mais do que provavelmente vai permanecer como está na Telecom Italia", disse Fabian Lares, analista da corretora JB Capital Markets, em uma nota. "Ela entraria apenas, em nossa opinião, se um outro grupo fizer uma oferta pela Telecom Italia ou sobre seus ativos na América Latina."

Um porta-voz da Telefónica não quis comentar sobre as opções da empresa em seu investimento na Telecom Italia.   Continuação...