Alemanha defende Internet alemã após escândalo de espionagem

sexta-feira, 25 de outubro de 2013 11:20 BRST
 

Por Leila Abboud e Peter Maushagen

PARIS/FRANKFURT, 25 Out (Reuters) - Em meio à crise diplomática entre Estados Unidos e Europa devido às acusações de espionagem, a empresa Deutsche Telekom, parcialmente controlada pelo Estado alemão, quer que as empresas locais de comunicações cooperem para blindar o tráfego da Internet contra a ação de serviços de inteligência estrangeiros.

Mas esse esforço incipiente, que ganhou urgência após a Alemanha revelar na quarta-feira que encontrou indícios de espionagem norte-americana contra o celular da chanceler alemã, Angela Merkel, pode não passar de um golpe publicitário.

A blindagem não funcionaria, por exemplo, quando alemães navegassem em sites hospedados em servidores no exterior, como é o caso do Facebook e do Google, segundo entrevistas com seis especialistas em Internet e telecomunicações.

A Deutsche Telekom também teria problema em atrair seus concorrentes entre os provedores de Internet banda larga, já que essas empresas ficariam incomodadas em partilhar informações sobre suas redes.

Acima de tudo, a iniciativa contraria a forma como a Internet funciona hoje -- com tráfego global passando de rede em rede, sob acordos gratuitos ou pagos, mas sem qualquer consideração por fronteiras nacionais.

Se mais países se murarem dessa forma, poderia ocorrer uma perturbadora "balcanização" da Internet, afetando a abertura e eficiência que fizeram da web uma fonte de crescimento econômico, segundo Dan Kaminsky, pesquisador de segurança dos EUA.

Os controles sobre o tráfego da Internet costumam ser vistos mais habitualmente em países como China e Irã, cujos governos buscam limitar o conteúdo que pode ser acessível aos seus cidadãos. Para isso, eles instalam "firewalls" de abrangência nacional e bloqueiam sites como Facebook e Twitter.

"É internacionalmente sem precedentes que o tráfego de Internet de um país desenvolvido ignore os servidores de outro país", disse Torsten Gerpott, professor de negócios e telecomunicações na Universidade de Duisburg-Essen. "A iniciativa da Deutsche Telekom é louvável, mas é também uma manobra de relações públicas".   Continuação...

 
Foto de cartazes de campanha de emails criptografados, uma iniciativa conjunta da Deutsche Telekom e da United Internet em Berlim. Em meio à crise diplomática entre Estados Unidos e Europa devido às acusações de espionagem, a empresa Deutsche Telekom, parcialmente controlada pelo Estado alemão, quer que as empresas locais de comunicações cooperem para blindar o tráfego da Internet contra a ação de serviços de inteligência estrangeiros. 9/08/2013. REUTERS/Thomas Peter