Funcionários do Google criticam NSA por suposto "grampo" em cabos

quarta-feira, 6 de novembro de 2013 19:38 BRST
 

Por Alexei Oreskovic

SAN FRANCISCO, 6 Nov (Reuters) - Dois funcionários do Google envolvidos com o sistema de segurança da empresa criticaram publicamente a Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos por ter supostamente espionado cabos que ligam data centers do Google.

Ninguém da NSA ou do serviço britânico de inteligência, também acusado de participar da espionagem, "irá jamais se postar diante de um juiz e responder por essa subversão em escala industrial do processo judicial", escreveu Mike Hearn, engenheiro do Google, na terça-feira em sua página pessoal do Google+.

O jornal The Washington Post noticiou na semana passada, com base em informações passadas pelo ex-técnico de inteligência Edward Snowden, que a NSA teve acesso a um cabo submarino ou a um computador que distribuía o tráfego do Google e do Yahoo por meio de um provedor de telecomunicações não identificado.

Hearn, identificado no seu perfil do Google+ como sendo um engenheiro de software que vive em Zurique e trabalha para o Google desde 2006, disse na postagem que ele trabalha há dois anos num "sistema anti-hackeamento" do Google.

"Concebemos esse sistema para manter criminosos afastados. Não há ambiguidade aqui", escreveu Hearn. "Burlar esse sistema é ilegal por uma boa razão", disse ele, observando que o sistema judicial de mandados e regras sobre provas oferece uma forma eficaz e testada de impedir crimes ao mesmo tempo em que limita abusos contra a privacidade.

Hearn disse que estava mandando "um gigantesco f. para o pessoal que fez esses slides", ou seja, as ilustrações nos documentos vazados mostrando como a NSA poderia acessar os dados.

Na semana passada, Brandon Downey, que se identifica como engenheiro de segurança de redes, fez comentários igualmente indignados na sua página pessoal do Google+.

"Embora já suspeitássemos que isso estivesse acontecendo, ainda assim me entristece terrivelmente", escreveu ele. "Os EUA precisam ser melhores do que isso."

Uma pessoa próxima à empresa confirmou que Hearn e Downey são funcionários do Google. Ambos, no entanto, disseram estar falando em caráter pessoal, e o Google não quis comentar as postagens, embora na semana passada a empresa tenha se dito "ultrajada" com as revelações.

Um porta-voz da NSA disse na semana passada que "não é verdade" que a agência espione cabos submarinos fora do território dos EUA para burlar restrições jurídicas às suas atividades internas. O porta-voz alegou que o interesse da agência é encontrar informações sobre suspeitos estrangeiros de ameaçarem a segurança nacional norte-americana.