Papa Francisco responde críticas de conservadores: "Não sou marxista"

domingo, 15 de dezembro de 2013 16:05 BRST
 

Por Philip Pullella

VATICANO, 15 Dez (Reuters) - O papa Francisco, em resposta às críticas de conservadores de que suas ideias econômicas e sociais respingam no comunismo, disse para um jornal italiano neste domingo que não é marxista, mas mesmo marxistas podem ser boas pessoas.

Francisco também negou que pretende nomear uma cardeal feminina, disse que está fazendo um bom progresso para sanear as finanças do Vaticano e confirmou que vai visitar Israel e a Palestina no ano que vem, segundo o La Stampa.

Mês passado, um programa de rádio ancorado por Rush Limbaugh, que tem muitos fãs nos Estados Unidos, criticou o papa por comentários sobre a economia mundial.

Limbaugh, que não é católico, disse que partes do documento eram "marxismo puro saindo da boca de um papa" e sugeriu que alguém escreveu o documento papal por ele. Também acusou o papa de passar dos limites do catolicismo e ser "puramente político".

Em resposta às acusações, que iniciaram um debate na mídia e nos blogs mês passado, Francisco, membro da ordem dos jesuítas, associada a políticas sociais progressistas, disse que "a ideologia marxista é errada, mas, na minha vida, conheci muitos marxistas que são boas pessoas, então não me sinto ofendido".

Ele também foi criticado por outros conservadores.

No documento do mês passado, considerado uma plataforma do seu papado, Francisco atacou o capitalismo como "uma nova tirania" e disse que "a economia de exclusão e desigualdade" matou pessoas ao redor do mundo.

Na sua resposta aos críticos, Francisco disse que não estava falando como um "técnico, mas de acordo com a doutrina social da Igreja Católica Romana, e isso não o transforma em um marxista". Ele disse que estava apenas tentando mostrar "um recorte do que estava acontecendo" no mundo.   Continuação...

 
Papa Francisco lidera a bênção dominical do Angelus de sua varanda no Vaticano. O papa, em resposta às críticas de conservadores de que suas ideias econômicas e sociais respingam no comunismo, disse para um jornal italiano neste domingo que não é marxista, mas mesmo marxistas podem ser boas pessoas. 15/12/2013 REUTERS/Max Rossi