Nintendo reluta sobre mudança radical com maiores preocupações com Wii U

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014 11:01 BRST
 

Por Sophie Knight

TÓQUIO, 20 Jan (Reuters) - A Nintendo provavelmente estará relutante em fazer mudanças radicais, como permitir que os seus jogos sejam jogados em dispositivos dos rivais, uma vez que lida com vendas fracas de seu console Wii U, o que a obrigou a reduzir suas perspectivas e levou à queda de suas ações.

Ao contrário de rivais Microsoft Corp e Sony Corp, cujos recém-lançados XBox One e PlayStation 4 já viram fortes vendas, o criador do "Super Mario" tem resistido à pressão para abrir o desenvolvimento de jogos para outras empresas.

O Nintendo conta com a popularidade de suas franquias, como Mario e Zelda, para impulsionar as vendas de seu hardware. Alguns analistas dizem que a Nintendo está perdendo, no entanto, por não liberar uma versão de seus jogos para smartphones ou tablets, que agora ultrapassam 1 bilhão de aparelhos em uso e são responsáveis ​​por uma proporção crescente de jogos usados.

Mas não há sinais de que a Nintendo, que planeja lançar uma nova estratégia de gestão em 30 de janeiro depois de liberar os resultados trimestrais, possa reconsiderar sua posição.

"Eu acho que a empresa precisa ver mais fracassos antes de qualquer coisa mais radical ser considerado", disse David Gibson, analista sênior de pesquisa de jogos da Macquarie Securities, em Tóquio.

A empresa, que alertou na sexta-feira que espera agora o seu terceiro ano consecutivo de perdas operacionais após ter previsto anteriormente um lucro de 100 bilhões de ienes (960 milhões dólares) para o ano fiscal que se encerra em março, prometeu mudanças.

"É um direito questionar se a Nintendo deve continuar a usar o mesmo modelo de venda de um console por 20 mil a 30 mil ienes e jogos por vários milhares de ienes cada um, e por isso, se você perguntar se estamos pensando em uma nova estrutura de negócios, a resposta é 'sim'", disse o presidente-executivo, Satoru Iwata, a jornalistas em Osaka na sexta-feira.

Mas ele descartou a ideia de que o aumento de jogos em smartphones e tablets irá inaugurar o declínio de consoles de jogos.

"Não é algo tão simples como a disseminação de dispositivos inteligentes significa que máquinas de jogos não vai vender", disse ele. "Se nós oferecemos algo que está em linha com as mudanças ao nosso redor hoje, eu acho que as pessoas ainda precisarão de máquinas de jogos", disse.

 
Homem observa jogos para console Wii U da Nintendo em loja de eletrônicos em Tóquio, 20 de janeiro de 2014. A Nintendo provavelmente estará relutante em fazer mudanças radicais, como permitir que os seus jogos sejam jogados em dispositivos dos rivais, uma vez que lida com vendas fracas de seu console Wii U, o que a obrigou a reduzir suas perspectivas e levou à queda de suas ações. 20/01/2014 REUTERS/Yuya Shino