CENÁRIOS-Celular vira arma do varejo na batalha por mais vendas online

quinta-feira, 3 de abril de 2014 14:26 BRT
 

Por Marcela Ayres e Luciana Bruno

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO, 3 Abr (Reuters) - Com a popularização dos smartphones e o avanço das vendas feitas por meio desses aparelhos no Brasil, as empresas de varejo online criam aplicativos e sites voltados a dispositivos móveis para ganhar força na briga por uma maior fatia do comércio eletrônico.

Líder de mercado e dona de sites como Americanas.com e Submarino, a B2W viu suas vendas por dispositivos móveis saltaram mais de 130 por cento no ano passado, ritmo bem acima do aumento de 28,25 por cento de sua receita bruta, que somou 6,96 bilhões de reais em 2013.

O resultado reflete uma tendência vista no mercado brasileiro como um todo: de acordo com a empresa de pesquisas E-bit, as vendas feitas por meio de aparelhos móveis responderam por 4,8 por cento do total movimentado no e-commerce no Brasil em dezembro, enquanto em janeiro do ano passado essa participação era de 2,5 por cento.

Enfrentando intensa competição na Internet e buscando fisgar consumidores com hábitos cada vez mais móveis, as varejistas da Internet vêm elevando a aposta em novos aplicativos e páginas específicas para navegação via celular.

Com o lançamento de um aplicativo em março para reservas de última hora, a agência de viagens online Hotel Urbano espera quintuplicar as vendas móveis, que deverão atingir 100 milhões de reais em 2014, ou cerca de 12 por cento do faturamento previsto pela companhia.

Para fazer o cliente do site migrar ou adicionar os aplicativos a seu hábito de navegação, as companhias adotam estratégias como oferecer promoções exclusivas para clientes móveis, como tem sido feito pela B2W.

Algumas varejistas que até recentemente só tinham site criaram uma página especial para acesso via smartphone, como a especializada em artigos esportivos Netshoes, que lançou a sua há menos de um mês. A empresa também pretende lançar um aplicativo para vendas por dispositivos móveis este ano.

MAIS CELULARES, MAIS VENDAS   Continuação...