Jornal do PC chinês diz que não há liberdade na Internet sem ordem

segunda-feira, 28 de abril de 2014 11:07 BRT
 

Por Michael Martina e Paul Carsten

PEQUIM, 28 Abr (Reuters) - Liberdade na Internet não pode existir sem ordem, disse o principal jornal do Partido Comunista da China nesta segunda-feira, após vários programas de TV norte-americanos serem retirados de sites chineses, em mais um sinal do crescente controle exercido por Pequim sobre os conteúdos na rede desde a posse do presidente Xi Jinping há um ano.

Na semana passada, as autoridades também intensificaram as restrições à pornografia, revogando algumas autorizações de publicação do provedor Sina Corp., um dos maiores do país, por permitir conteúdos "lascivos e pornográficos".

"Embora pessoas comuns e governos desfrutem das conveniências trazidas pela Internet, eles também experimentam os efeitos negativos da internet e os perigos ocultos à segurança", disse comentário publicado no Diário do Povo, órgão oficial do PC.

O texto vinha assinado por "Zhong Sheng", nome que significa "voz da China" e costuma ser usado pelo jornal para expressar opiniões de política externa. "Se não há ordem na Internet, como pode haver liberdade na Internet? Quem desfruta e exercita seus direitos e liberdades na Internet não pode prejudicar o interesse público e não pode violar leis, regulamentos e a ética pública", disse o jornal.

Quatro séries de TV norte-americanas --The Big Bang Theory, The Practice, The Good Wife e NCIS-- foram retirados de sites de vídeos por ordens do governo chinês, segundo a agência de notícias Xinhua.

Não ficou claro por que o governo decidiu tirar da rede especificamente essas séries, que são muito populares.

Buscas nos sites de vídeo Youku Tudou, Sohu e Tencent resultavam em mensagens dizendo que esses conteúdos estão temporariamente indisponíveis.

"Acredito que seja um fato isolado, que não representa uma mudança de política com relação aos programas de TV norte-americanos", disse o executivo-chefe do Sohy, Charles Zhang, a jornalistas. O Youku Tudou e o Tencent não quiseram comentar a ordem do governo para tirar o material do ar.

Horas antes, o canal estatal CCTV informou à Reuters que havia adquirido os direitos exclusivos sobre The Big Bang Theory, mas não ficou claro se tais direitos abrangiam também a internet ou apenas a exibição por televisão.

(Reportagem adicional de Alexandra Harney, em Xangai)