ANÁLISE-Com Robinho e árabes, Manchester City sonha novamente

terça-feira, 2 de setembro de 2008 11:35 BRT
 

Por Martyn Herman

LONDRES (Reuters) - A vida quase nunca é monótona no Manchester City, e a oferta de compra feita na segunda-feira por uma empresa com sede em Abu Dhabi marca o mais recente capítulo da trajetória de um dos clubes mais pitorescos do futebol inglês.

Poucas horas depois de ter confirmado a eventual mudança de proprietário, o City surpreendeu os pesos-pesados da liga inglesa ao contratar, no último dia de prazo, o brasileiro Robinho junto ao Real Madrid por supostos 40 milhões de euros.

Com a chegada do novo camisa 10, a equipe pode se orgulhar de ser o time do mundo com mais representantes na seleção brasileira, com 3. Além de Robinho, Elano e Jô também estão na última relação de convocados pelo técnico Dunga.

Desde que conquistou o Campeonato Inglês em 1968, o time vive à sombra do Manchester United, tendo se especializado em protagonizar falsos renascimentos. Explica-se assim por que os torcedores da equipe costumam entoar a música "Blue Moon", marcadamente triste.

Nos 22 anos durante os quais Alex Ferguson levou para o Manchester United 10 títulos da primeira divisão, duas Ligas dos Campeões e vários outros troféus, o City viu-se mergulhado, por culpa própria, na mediocridade e em uma série de sonhos frustrados.

O momento menos auspicioso deu-se em 1999, quando o clube caiu para a terceira divisão do futebol inglês. Nos anos seguintes, o Manchester City recuperou seu devido lugar na elite da modalidade esportiva, sem, porém, ter chegado sequer perto de conquistar uma taça.

No total, 11 treinadores tentaram, sem sucesso, devolver ao clube o glamour que esvaneceu durante o reinado de Ferguson.

A empreitada mostrou-se irrealizável para, entre tantos, Kevin Keegan e Sven-Goran Eriksson, ambos ex-treinadores da seleção inglesa.   Continuação...

 
<p>O brasileiro Robinho, na &eacute;poca jogador do Real Madrid, gesticula durante coletiva de imprensa em um hote, no dia 31 de agosto. Ele agora ir&aacute; jogar no  Manchester City, e a oferta de compra feita na segunda-feira por uma empresa com sede em Abu Dhabi marca o mais recente cap&iacute;tulo da trajet&oacute;ria de um dos clubes mais pitorescos do futebol ingl&ecirc;s.. Photo by Paul Hanna</p>