Romário é condenado a 120 dias de suspensão por doping

terça-feira, 18 de dezembro de 2007 20:02 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O atacante Romário, de 41 anos, foi condenado por 3 votos a 2 a 120 dias de suspensão pela Segunda Comissão Disciplinar do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) nesta terça-feira após testar positivo para a substância finasterida em exame antidoping realizado após partida do Campeonato Brasileiro.

Os advogados do Vasco, clube do atleta, disseram que pretendem recorrer da decisão que impediria o atacante de atuar como jogador e treinador no Torneio de Dubai, nos Emirados Árabes, em janeiro do ano que vem. "Sabemos que o Tribunal vai entrar em recesso, mas vamos recorrer dessa decisão o mais rápido possível, assim que for viável", disse á Reuters o advogado do Vasco, Paulo Reis

O atacante não compareceu ao STJD para o julgamento porque, segundo os advogados, estaria "muito tenso e nervoso". "Ele até adiou uma viagem com a família para esperar o resultado do julgamento", acrescentou Reis.

A estratégia do corpo jurídico do Vasco foi tentar sensibilizar os auditores do STJD. Eles levaram uma edição compacta de vídeo com os últimos grandes momentos do jogador no ano de 2007.

Foram exibidas imagens de Romário no milésimo gol da sua carreira, com a filha Ivy, que é portadora de Síndrome de Down, e da ida à Fifa na solenidade que confirmou o Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014.

O ex-administrador da CBF, Carlos Alberto da Luz, e o médico do Vasco, Rafael Blum, também foram arrolados como testemunhas de defesa. "O Romário já tomava na minha época o remédio contra a calvície e era até motivo de brincadeira entre os colegas", declarou o ex-administrador da CBF, que trabalhou com Romário na seleção nas Copas de 1994 e 1998.

"Ele só avisou que tomava o remédio no dia do exame", destacou o médico do Vasco, que acompanhou o atacante no teste realizado após a partida contra o Palmeiras, em São Januário, em outubro desse ano.

Antes do julgamento, o procurador do STJD, Paulo Schmidt, ponderou que a decisão do STJD poderia ser válida apenas para competições nacionais, organizadas por entidades brasileiras.

"Normalmente, as penas alcançam o território nacional. E muitas punições não se aplicam aqui no Brasil, quando a competição é organizada por uma entidade internacional, como no caso da Copa Sul-Americana", disse o procurador do tribunal.

O lateral Marcão, do Internacional, também foi punido na primeira instância do tribunal com 120 dias de punição por uso da mesma substância, mas depois a punição foi reduzida na instância superior para 30 dias e o pagamento de cestas básicas.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)