Fifa proíbe empresa "dona" de jogador

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 20:07 BRST
 

Por Mark Ledsom

ZURIQUE (Reuters) - A Fifa decidiu proibir que terceiros detenham os direitos sobre um jogador e que clubes de divisões inferiores possam comprar a licença de outros para serem promovidos, disse na segunda-feira o presidente da entidade que dirige o futebol mundial, Joseph Blatter.

Em entrevista coletiva após reunião do comitê-executivo, ele disse que a Fifa vai alterar suas regras para formalizar as mudanças.

A questão da posse dos direitos dos jogadores chamou a atenção no começo deste ano, durante a novela da transferência do argentino Carlos Tevez do West Ham para o Manchester United.

O caso de Tevez ficou ainda mais complicado pelo fato de que os direitos de transferência do jogador pertenciam parcialmente a uma empresa privada, e não só ao seu clube.

Essa prática, comum na América do Sul, violava as regras da liga inglesa, que multou o West Ham em 5,5 milhões de libras (11,3 milhões de dólares).

Blatter disse que a Fifa também ficou descontente com o caso do clube espanhol Granada 74, da quarta divisão, que comprou a vaga do Ciudad de Murcia na segunda divisão.

A Federação Espanhola de Futebol tentou impedir a manobra, mas a Corte de Arbitragem do Esporte acatou a tese do Granada de que o clube que jogava na segunda divisão apenas transferiu sua sede e mudou de nome.

"Não estamos felizes com essa decisão, que vai contra os princípios do nosso jogo, em que promoção e rebaixamento são a essência", afirmou Blatter. "Então mudamos os regulamentos e as novas regras entrarão em vigor no final do ano."